Envie esta página a um amigo!

quinta-feira, 20 de julho de 2017

0

Livro: We need to talk about Kevin



Ano de Edição: 2010
Género: Drama
Autor: Lionel Shriver



* Por Mariana Oliveira *

A primeira vez que me deparei com a premissa do livro “We need to talk about Kevin” percebi de imediato que me encontrava perante uma leitura que iria deixar marcas. Contudo, nem sequer esse facto me preparou para aquilo com que estava prestes a deparar-me...


Sinopse:
Eva nunca quis ser mãe, especialmente de Kevin, que há dois anos matou sete colegas da escola, um funcionário do bar e uma admirada professora que tentou compreendê-lo. Tudo isto dois dias antes de completar dezasseis anos, e agora o rapaz vive numa prisão temporária para jovens delinquentes. Ao contar a história do filho em cartas endereçadas ao marido, agora separado dela, Eva expõe os seus receios face à maternidade e à influência que pode ter exercido no desenvolvimento da personalidade de Kevin. Até que ponto poderá ela ser culpabilizada?”


Opinião:
Confesso que o início desta leitura não foi fácil. A escrita floreada da autora dificultou-me a vida e sei que há quem critique este livro precisamente por causa da aparente incapacidade que a autora tem de escrever uma frase de uma forma simples e directa. Para Lionel Shriver, cada parágrafo representa uma oportunidade ideal para demonstrar o quão bem consegue escrever e como consegue brincar com as palavras a seu bel-prazer. Contudo, depois de me acostumar a este estilo de escrita consegui mergulhar nesta história que me levaria ao que de mais negro o ser humano pode ter dentro de si.

Ler as cartas de Eva permitiu-me de uma forma íntima ficar a conhecer o dia-a-dia de uma mulher que ao longo de vários anos sempre acreditou que o seu filho tinha uma natureza má apesar de o seu marido a acusar de estar a imaginar coisas acerca de uma criança perfeitamente normal.
Como leitora achei difícil tomar partido: é evidente que Kevin desde tenra idade mostra claros sinais de maldade e um estranho regozijo perante o sofrimento dos outros. Contudo, o facto de Eva desde o início ter encarado o seu filho como alguém anormal poderá ter feito com que Kevin desenvolvesse essa personalidade?  A autora apresenta-nos uma questão complexa: foi a natureza maldosa de Kevin que provocou o afastamento da sua mãe ou foi a atitude fria desta que fez com que o filho crescesse com sentimentos tão obscuros dentro de si?

Apesar de saber à partida que Kevin iria assassinar várias pessoas na sua escola, nada poderia ter-me preparado para aquele final. A surpresa, o choque que senti ao ler com pormenor tudo aquilo que o jovem fez. A descrição das mortes, da aflição e incredulidade das vítimas mexeu de tal maneira comigo que em poucas páginas senti uma série de emoções que foram desde a tristeza, ao choque até à raiva.

Dificilmente encontro um livro que me arrebate desta forma e que perdure comigo durante tanto tempo. É que finda a leitura de “We need to talk about Kevin” passei literalmente dias a pensar no livro. A sua intensidade e os assuntos que aborda são tão fortes que considero esta obra uma das que mais impacto teve em mim em toda a minha vida.

Recomento este livro mas com as devidas cautelas pois o tema é bastante forte e acredito que nem todos os leitores conseguirão “digerir” esta leitura.

quinta-feira, 13 de julho de 2017

0

Livro: O Conto da Ilha Desconhecida



Ano de Edição: 2015
Género: Drama
Autor: José Saramago
Editora: Porto Editora

 * Por Mariana Oliveira *


Depois de me ter reconciliado com a escrita de José Saramago, graças à incrível obra “As Intermitências da Morte”, decidi continuar na minha senda de conhecer mais e mais trabalhos do Nobel português.
Desta vez, o eleito foi um pequeno livro chamado “O Conto da Ilha Desconhecida”.


Sinopse:
“Um dia um homem dirigiu-se à porta do rei para pedir um barco… situada num tempo e num espaço indeterminados, a história do homem que queria um barco para ir à procura da ilha desconhecida promete ser a história de todos os homens que lutam contra as convenções em busca dos seus sonhos e de si próprio.”


Opinião:
A primeira impressão com que fiquei após ler os primeiros parágrafos deste conto é a de que a escrita se assemelhava bastante à de Afonso Cruz. Assim, preparava-me para me confrontar com uma escrita poética e intrincada mas ao invés acabei com um livro cuja prosa está mais acessível sem que com isso tenha perdido a sua beleza.

Aparentemente simples, este conto pode ser visto sob vários ângulos e acredito que diferentes leitores chegarão a conclusões distintas.
Para mim, primeiramente esta é uma história sobre perseverança e coragem. Sobre lutarmos por aquilo que queremos por mais obstáculos que surjam no nosso caminho e por mais que aqueles que nos rodeiam nos digam que não somos capazes de fazê-lo.
Este conto também nos mostra de que muitas vezes aquilo de que andamos incessantemente à procura noutros lugares pode estar muito mais próximo daquilo que imaginamos, às vezes está mesmo dentro de nós próprios.


Sei que mais cedo ou mais tarde irei reler “O Conto da Ilha Desconhecida” e possivelmente descobrirei ainda mais coisas com esta pequena mas profunda leitura.

quinta-feira, 6 de julho de 2017

0

Livro: O Universo nos teus olhos



Título Original: Holding Up The Universe
Ano de Edição: 2017
Género: Romance
Autor: Jennifer Niven
Editora: Nuvem de Tinta


* Por Mariana Oliveira *


Fiquei a conhecer a autora Jennifer Niven com a obra que a celebrizou, “Fala-me de um dia Perfeito”, e devo dizer que foi um primeiro contacto bastante interessante. Por isso mesmo, ao avançar para a leitura de “O Universo nos Teus Olhos” as expectativas estavam algo elevadas pois parecia que todos, menos eu, já o tinham lido e tinham gostado.


Sinopse:
“O amor verdadeiro é como o universo: não tem fim. Libby Strout, outrora a adolescente mais gorda da América, conseguiu finalmente ultrapassar o desgosto causado pela morte da mãe e está pronta para voltar a viver. Jack Masselin é o típico rapaz popular do liceu. Contudo, Jack sofre de prosopagnosia, uma doença que o impede de reconhecer caras. Quando o destino junta Libby e Jack, a solidão que cada um sente dá lugar a sentimentos muito diferentes… Uma história de superação de um amor verdadeiro e invulgar que nos devolve a esperança no mundo, em nós e no outro.”


Opinião:
A principal motivação que me leva a ler assenta na oportunidade que os livros me proporcionam de viver outras vidas e viajar para outras realidades. Então quando para além disso um livro nos ensina algo em concreto a experiência torna-se mais rica. Foi precisamente isso que me aconteceu com esta obra.
Se já tinha ouvido falar em obesidade? Claro que sim! Contudo nunca tinha tido a oportunidade de ver através dos olhos de uma adolescente o que significa crescer com essa dificuldade.
Já a prosopagnosia, foi a grande novidade para mim. Nunca tinha ouvido falar nessa doença e foi com surpresa que descobri que afecta uma percentagem da população bastante superior àquilo que eu poderia imaginar. Não pude deixar de questionar-me vezes sem conta como será viver sem conseguir reconhecer a nossa família e amigos. O esforço hercúleo que deve ser ter de estar constantemente a “começar de novo”. Quando olhamos para alguém, temos de procurar indicadores que nos possam dizer com quem estamos a falar. Deve ser uma doença horrível mas que no caso do nosso protagonista, o Jack, o torna num jovem especial com uma força de vontade acima da média.

Mais uma vez a autora Jennifer Niven pega em dois adolescentes que lutam contra as suas dificuldades e que se sentem incompreendidos e dá-nos uma história de superação que nos mostra que o amor e a compreensão podem fazer milagres na vida de qualquer pessoa, principalmente na vida de quem desde muito cedo teve que lidar com bastantes adversidades.
Enquanto no livro “Fala-me de um dia perfeito” o tom da história varia entre a esperança e o desespero, em “O Universo nos teus olhos” senti que a trama era mais leve mesmo com todas as dificuldades por que Libby e Jack passam.

A única coisa que me fez torcer o nariz, mas a que ainda me vou dedicar a pesquisar para perceber se é ou não possível, é o facto de Jack sofrer de prosopagnosia desde que tem memória de existir e mais ninguém saber desse facto. Nem sequer os pais e irmãos dele sabiam! Será que é possível a uma criança esconder 24h por dia, 7 dias por semana uma doença dessas durante anos? Tendo em conta a pesquisa feita pela autora sobre a doença sim, mas mesmo assim acho que me vou debruçar mais sobre o assunto para ficar realmente esclarecida.


Se procuram um livro jovem adulto contemporâneo, “O Universo nos teus olhos” pode ser a escolha ideal visto que nos leva através de uma história enternecedora, que nos mostra que não importa o que de mal pode acontecer nas nossas vidas pois enquanto aqui estivermos a felicidade poderá estar ao nosso alcance. 

segunda-feira, 3 de julho de 2017

0

Livro: A História da Gata das Botas



A História da Gata das Botas
(Beatrix Potter) 
Ilustração: Quentin Blake 

ISBN: 9789892337081
Edição ou reimpressão: 02-2017
Editor: Edições Asa
Idioma: Português
Dimensões: 197 x 261 x 13 mm
Encadernação: Capa dura
Páginas: 72

SINOPSE

Era uma vez uma gata preta, séria e bem-comportada. Pelo menos era assim que a via a velhinha simpática que era sua dona; porque, na verdade, a Kitty (ou Miss Catherine St. Quintin, como gostava que lhe chamassem) apreciava fugir de casa na penumbra da noite para caçar, devidamente armada, vestida e calçada.
Mas não se pense que esta vida dupla que levava lhe trazia privilégios. Pelo contrário, os dissabores eram mais que muitos. E estão todos deliciosamente retratados, bem ao jeito de Beatrix Potter, neste maravilhoso conto, ao qual se juntam as ilustrações do não menos icónico Quentin Blake, dando origem a um verdadeiro novo clássico.
Uma narrativa que permaneceu esquecida durante 100 anos e que agora, 150 anos após o nascimento da sua Autora, é finalmente publicada pela primeira vez como história individual e ilustrada na íntegra.

OPINIÃO

Quem segue o blogue sabe que tenho um carinho especial por livros infantis. Por variadíssimas razões é importante que as nossas crianças contactem com livros desde muito cedo. Mesmo quando ainda não sabem ler, ou são demasiado pequenos para compreender, o contacto com os livros pode ter inúmeros benefícios. Assim sendo, a qualidade dos livros que colocamos nas mãos dos mais pequenos é de extrema importância, e é por isso que quando estou a escolher um livro para oferecer tenho em atenção inúmeros factores. O nome do autor é um deles. Beatrix Potter é uma referência neste campo, e quando soube que havia um texto novo dela descoberto, fiquei em êxtase. O texto acabou então por ser publicado na altura em que a autora "fez" 150 anos. 

A obra, como qualquer outra, deve ser no entanto enquadrada no tempo e no espaço. O facto de a autora colocar uma gata (feminino) com aspirações tipicamente masculinas na altura (caçar) é de facto interessante. Apesar de autora não se considerar (nem ser considerada) feminista, achei esta abordagem deliciosa. Outros aspectos existem na obra que seriam merecedores de discussão (e de estudo, de certo que já alguém pegou nisto). A caça não é, de todos, dos meus temas preferidos, mas por isso mesmo volto a referir a importância de enquadrar a obra. O tema remete-nos para os contos infantis de há umas décadas atrás.. e soube-me mesmo bem ler uma história deste género. A ajudar a festa temos a aparição de personagens já conhecidas da autora. A importância de se ser destemido, aventureiro e em lutar e ir contra os outros para se seguir uma convicção são aspectos presentes na obra. 

Relativamente às ilustrações: eu consigo compreender bem a genialidade de Quentin Blake, mas não posso deixar de referir que senti nostalgia dos desenhos tão característicos que compõem as outras obras da autora (no original a autora tinha apenas feito um esboço de uma gata preta com um casaco de caça).

A somar a isto temos a ASA que lhe deu uma roupagem maravilhosa: uma capa dura, um tamanho adequado, e uma qualidade de papel fabulosa. 

Um livro delicioso para as crianças e os mais velhos. 


Ocorreu um erro neste dispositivo

1%

1%