Envie esta página a um amigo!

segunda-feira, 30 de julho de 2018

4

277º Passatempo do FLAMES (em parceria com a Planeta)


Para te habilitares a ganhar este livro, só tens de preencher o formulário... 

BOA SORTE :) 



VENCEDOR:

Ana Patrício


0

[DIVULGAÇÃO]: Uma Flor para Outra Flor - As Guerreiras Maxwell 4 (Megan Maxwell)




Uma Flor para Outra Flor
As Guerreiras Maxwell 4

Megan Maxwell


ISBN: 9789897770746
Edição ou reimpressão: 07-2018
Editor: Editorial Planeta
Idioma: Português
Páginas: 520

SINOPSE

Há um tempo Zac pousou os olhos em Sandra, uma jovem de cabelo castanho que o cativou com o seu sorriso. Mas quando o pai de Sandra faleceu, os avós maternos obrigaram-na e à mãe a deixar as Highlands, e a regressar a Carlisle, um sítio onde não conseguem ser felizes, sobretudo quando os avós estão empenhados em arranjar-lhe marido.

Disposto a salvar a amada, Zac foi até Carlisle, mas ao chegar depara-se com Sandra rindo divertida com um dos ingleses. Assombrado e de coração partido, regressou às Highlands determinado a esquecê-la. Para ganhar tempo, Sandra ia afastando os pretendentes, aumentando a inimizade dos avós e por fim a culpa pela morte da avó.

Quarto volume da série de grande sucesso Guerreiras Maxwell da autoria de Megan Maxwell. Com mais de 1,7 milhões de leitores a autora é um êxito de vendas no género da literatura erótica. 
Com uma componente erótica própria deste género, trata-se de uma história de amor apaixonante, com personagens fortes e dramáticas, que nos farão sonhar com os highlanders.

sábado, 28 de julho de 2018

0

128ª Entrevista do FLAMES: Ricardo S. Amorim (autor português)


Ricardo S. Amorim
Foto de Joana Marçal Carriço, SFTD Radio

Os Moonspell dispensam qualquer tipo de apresentações sendo uma banda incontornável no panorama nacional. No entanto, existem tantas histórias interessantes que rodeiam a banda, e tanta coisa por descobrir… 
Para nos desvendar algumas delas, Ricardo S. Amorim escreveu “Lobos que foram homens” (opinião que podem espreitar aqui). 

A escrita deste livro foi assim a desculpa perfeita para falar quer com o autor quer com a banda. Nesta primeira parte mostramo-vos a entrevista com o autor. Ora espreitem.

No livro o Ricardo fala sobre o processo de criação do mesmo, ou seja, sobre como surgiu a ideia etc. Pode partilhar isso com os nossos seguidores? 
A ideia surgiu de uma forma bastante espontânea, conforme relato no próprio livro. Surgiu durante uma viagem de carrinha do Porto para Lisboa, em que vim de boleia com a banda, que já conheço pessoalmente há alguns anos e com a qual já tinha tido algumas interacções profissionais. Adicionalmente, partilho o nome e apelido com o guitarrista, e era algo frequente receber acidentalmente e-mails que lhe eram destinados, com informação confidencial. A reserva com que sempre os tratei, avisando os remetentes e eliminando os mesmos, levou a que também se criasse uma relação de confiança. 

Apresentado o convite pelo Fernando durante essa viagem, naturalmente que sustentado no apoio do resto da banda, aceitei de imediato e num muito curto espaço de tempo estávamos reunidos para discutir o projecto. Apresentámos a ideia à editora, a Saída de Emergência, que já antes tinha manifestado interesse (foram, até, os primeiros a ter esta ideia), que acolheu o projecto com muito entusiasmo, e comecei logo o processo de pesquisa e escrita do livro, que durou cerca de um ano. 

O Ricardo teve o cuidado de entrevistar membros mais antigos da banda. Estava à espera da abertura por parte de todos para contarem algumas das histórias? 
Confesso que não sabia bem o que esperar. Calculei que aceitassem conversar comigo, mas não sabia com que atitude ou abertura o fariam. Era essencial ao livro que a história deles, a sua visão sobre os acontecimentos, fosse contada. Caso contrário, o leitor teria apenas uma visão sobre os acontecimentos e não ficaria a conhecer os dois lados da história. Felizmente, todos aceitaram participar e com uma abertura que me surpreendeu muito positivamente. Houve problemas entre eles (por isso saíram da banda), e até acções judiciais, mas o tempo permitiu-lhes ter uma leitura mais distanciada e objectiva sobre o que se passou. Nunca houve apontar de dedos ou lavagem de roupa suja, houve, isso sim, uma reflexão de homens de 40 anos sobre acontecimentos de há 20 anos atrás, de uma banda que cresceu muito rapidamente e que se deparou com circunstâncias para as quais se calhar não estava preparada. Foi nesta banda que os miúdos se tornaram homens, e na estrada que se fizeram lobos. 

Tem imensa experiência em entrevistar músicos, havia um outro livro deste género que gostaria de escrever com outra banda? 
Tenho muitos projectos que gostaria de concretizar, uns que estarão ao meu alcance, outros obviamente que não. Gostaria de responder que agora ia para a estrada com o Nick Cave ou com os Nine Inch Nails para contar a história de vida do Trent Reznor, que é fascinante, mas isso não vai acontecer. Tenho planos para continuar a escrever, e acho que há histórias interessantes por contar no universo musical português, mas também não me quero cingir a isso. Logo veremos o que o futuro próximo reserva. 

E lembra-se de alguma história engraçada que tenha ocorrido durante uma entrevista a um músico/banda? 
Tenho algumas histórias rocambolescas, nem todas positivas, mas prefiro destacar as que mais me dizem, e as entrevistas ao Jaz Coleman, dos Killing Joke, são sempre especiais. Em primeiro lugar, porque sou um grande fã e é uma figura particularmente carismática, daquelas que já não existem. Senti logo uma empatia muito grande na primeira vez que o entrevistei, em 2006. Estava com algum receio, pois ele já teve fama de ser hostil para a imprensa, mas a conversa correu bastante bem. Mas a melhor parte foi quando acabou a entrevista e desliguei o gravador e ficámos a conversar. Contou-me que, em criança, vinha com os pais passar férias à Nazaré e que tinha muitas saudades de Portugal. Apesar da última vez que os Killing Joke cá tocaram tenha sido em 1991, na primeira parte dos Pixies no Coliseu (entretanto, já cancelaram duas vindas), ele disse-me ter uma relação especial com o nosso país. A sua agente ficou com o meu contacto e estive para ir ter com eles a Barcelona na semana seguinte, o que depois não pude concretizar por motivos profissionais. Mais tarde, soube da morte do Paul Raven (que foi baixista de Killing Joke) precisamente durante uma viagem que fiz a Barcelona. Quando contei isto ao Jaz Coleman numa entrevista seguinte, emocionou-se e dissertou sobre o significado cosmológico do que lhe estava a dizer. Para quem conhece e admira o Jaz Coleman, essa não é uma conversa que se esqueça. 

Os Moonspell foram sofrendo várias metamorfoses ao longo dos anos. Qual foi a maior dificuldade que encontrou na escrita deste livro? 
A maior dificuldade foi, sem dúvida, o tempo. Em primeiro lugar o meu, mas também não foi fácil conseguir conjugar as disponibilidades dos diferentes intervenientes com um método de pesquisa que tive de fazer. Para melhor me organizar, tive de seguir uma linha cronológica e por isso tinha de falar com as pessoas que estiveram presentes naqueles períodos. Cedo percebi que a pesquisa tem de ser balizada com grande disciplina, caso contrário não acaba. Cavamos um poço tão fundo que às tantas não sabemos como sair dele. Embora o livro tenha episódios, foi importante distinguir aquilo que é acessório do que é a história da banda, e ao mesmo tempo permitir que o lado humano venha ao de cima. Enquanto leitor, não gosto que um livro do género seja apenas um relato de factos, mas que os intervenientes sejam pessoas reais, que consigamos perceber o processo criativo nos diferentes momentos, o espírito e as circunstâncias que levaram à tomada de decisões, sejam elas certas ou erradas, pois a falha faz parte do processo. 

Cada capítulo tem, para além de um título, uma frase emblemática. Como foi a selecção das frases para cada secção? 
Quando o Pedro Paixão me falou do projecto Orfeu Rebelde, e do prazer que teve em trabalhar sobre os poemas do Miguel Torga, reforçou a frase do poeta: “o destino destina, mas o resto é comigo”, e de como isso foi impactante para ele enquanto criador. De tal forma me transmitiu esse entusiasmo que logo decidi que tinha de usar aquela frase do Torga, e não poderia ficar simplesmente “perdida” pelas páginas, de modo a que pudesse passar despercebida. Ia começar o livro com essa frase, mas depois foram surgindo outras ideias e decidi usar uma citação em cada capítulo. Os Moonspell sempre foram muito vocais sobre as suas influências, musicais ou literárias, e achei que isso faria sentido no contexto da banda que são. A escolha das frases foi bastante óbvia para mim em alguns dos capítulos, para outros nem tanto mas surgiram de uma forma muito espontânea também. Por exemplo, a ouvir Monster Magnet no carro, fiquei com a frase na cabeça como muito adequada ao capítulo que estava a escrever naquele momento. Ou seja, há frases que dizem respeito directamente à história e aos Moonspell, mas outras são referências minhas, de músicas que ouvia ou livros que lia, que definiram um mapa mental que fui criando para estruturar o livro e que podem parecer muito pouco óbvias às pessoas, quiçá à própria banda. 

O livro tem uma componente gráfica muito forte, desde as fotos, à capa, a alguns pormenores do interior. O Ricardo teve um papel activo nessa parte também? 
Sim, tive esse papel activo na escolha das fotos e da sua localização no texto. Tive uma grande ajuda na recolha e tratamento das fotos por parte do Paulo Mendes, que é também o autor de muitas das fotos, e depois o Luís Morcela, designer da Saída de Emergência, teve todo o mérito no trabalho gráfico feito, que acho que valoriza bastante o livro. 

O Ricardo teve a oportunidade de estar com a banda nos “bastidores” do Alcatraz Hard Rock & Metal Festival, mas foi acompanhando a banda em vários concertos, alguns até bem longe. Como se sentiu ao experienciar tudo na primeira pessoa? 
De início senti-me um pouco como um intruso, mas creio que isso terminou logo na primeira viagem que fiz com eles. Fizeram-me sempre sentir bem-vindo e rapidamente se desenvolveu uma relação de amizade entre nós. Não se tratou apenas de uma colaboração tendo em vista o livro, mas de laços criados e que se irão manter. Isso foi essencial para o livro e levou a que também me tenha colocado nele. Ou seja, o meu instinto é nunca escrever na primeira pessoa mas fiz isso várias vezes ao longo do livro. Pela confiança que senti deles, todo o processo foi como um enorme diálogo e foi através da escrita que dei a minha resposta. Se não tivesse tido essa vivência com eles, de ir para a estrada também, o livro não teria a vida que acredito que tem. Foi sentado, a conversar calmamente com cada um deles, que conheci a história da banda e o seu passado. Mas foi junto deles que conheci verdadeiramente os lobos que continuam a ser homens, apesar do título. 

Tal como refere no livro, os Moonspell são uma banda de reconhecimento nacional com uma história enorme e inúmero prestígio a nível mundial. Apesar de as coisas se terem alterado nos últimos anos em Portugal, parece ainda haver algum preconceito para com o metal em geral, e é dado maior destaque a músicos que por vezes têm uma projecção mais mediática, mas também mais fugaz. O que acha que se pode fazer no sentido de inverter essa tendência?
Essa é a pergunta do milhão de dólares. Gostaria de ter uma resposta objectiva para a mesma, mas não é simples indicar uma ou várias medidas para que essa tendência se inverta. Todas as semanas se declara a morte do rock, que nada diz às novas gerações e que é noutros géneros que encontram as suas referências. Talvez seja ingenuidade minha pensar que uma canção como «Smells Like Teen Spirit» ecoa da mesma forma num miúdo de hoje como na minha geração, mas vou continuar a acreditar que sim. Acho que há espaço para tudo, do metal, ao pop, passando pelo hip hop e a todos os outros géneros. Contudo, a igualdade de exposição não se verifica, e há oportunidades que estão a ser vedadas baseadas no género. Num contexto mainstream, temos um festival como o NOS Alive completamente esgotado e com um cartaz, ainda que variado, baseado no rock, com bandas como Pearl Jam, The National, Queens Of The Stone Age, Nine Inch Nails ou Artic Monkeys, por isso as notícias sobre a sua morte são largamente exageradas. Poderá argumentar-se que são bandas com décadas de carreira, e que não tem surgido renovação e que se está a viver da nostalgia, mas aí é porque acredito que haja portas fechadas logo à partida. 

Voltando ao metal, existe o chavão de que se trata de um nicho de mercado. Mas quando vemos festivais, Europa fora, com 70 ou 80 mil pessoas, fico com muitas reservas quanto a essa resposta. Em Portugal, tivemos recentemente os Iron Maiden a esgotar a Altice Arena, o Ozzy Osborne perto disso, e ainda os Kiss e os Scorpions com muito boas plateias. Milhares de pessoas foram a esses concertos, que depois não vão a outros de menor dimensão porque simplesmente não conhecem ou não sabem. Se foram 18 mil pessoas a Maiden, não há 5% ou 10% dessas pessoas que estariam num concerto de uma boa banda portuguesa de metal, ou de uma jovem promessa do estrangeiro? Acredito que com as ferramentas certas, e sem que as portas se tranquem logo à partida, isso possa ser possível. 

Muito mais teria a dizer, e nem sei se respondi à pergunta, mas aqui fica uma visão do tema. 

Obrigada ao Ricardo pela disponibilidade! 

Fiquem atentos.. em breve teremos a entrevista aos Moonspell respondida por Fernando Ribeiro.

quarta-feira, 25 de julho de 2018

0

[OPINIÃO] Livro: Lobos que foram homens



Título: Lobos que Foram Homens - A História dos Moonspell
Autor: Ricardo S. Amorim
ISBN: 9789897731006
Edição ou reimpressão: 03-2018
Editor: Saída de Emergência
Idioma: Português
Encadernação: Capa mole
Páginas: 448

SINOPSE

Com mais de vinte e cinco anos de carreira, os Moonspell são a banda portuguesa mais internacional de sempre, e toda a sua história é agora contada pela primeira vez. Mais do que uma simples biografia de banda, Lobos Que Foram Homens é o dissecar de uma carreira feita de riscos e conquistas, e em que se revelam factos até aqui inteiramente desconhecidos do público. Com depoimentos de todos os seus actuais e antigos elementos, bem como de diversos colaboradores e membros de outras bandas de referência, esta é uma história contada sem filtros, com todos os ossos à mostra. Acedendo ao círculo íntimo dos Moonspell, o autor explora os seus sucessos e tribulações, mas com o foco direccionado para o lado pessoal e humano das suas relações, que nem sempre foram fáceis, tornando Lobos Que Foram Homens num retrato essencial para compreender o fenómeno Moonspell.

OPINIÃO 
Roberta 

Comecei a ouvir Moonspell em 2006. Foi quando entrei para a faculdade que comecei a ouvir Metal. Sempre foi um estilo de música com a qual me identifiquei, mas foi apenas quando entrei na universidade que comecei a pesquisar e a ouvir bandas metal com maior frequência. E foi aí que me cruzei com a banda de Fernando Ribeiro. Até ao momento, apenas tinha ouvido Nocturna (e confesso que foi sempre a minha música preferida, talvez porque "o primeiro amor nunca se esquece").

O papel que os Moonspell tiveram no panorama do metal nos anos 90 é inquestionável. Portanto, ter um livro que reúne histórias da banda e que a faça conhecer melhor pareceu-me ser, logo à partida, uma boa ideia. Por isso foi com satisfação, curiosidade e muita excitação que me pus a devorá-lo.

Começo por me referir a ele em termos de estética. Nos últimos anos várias editoras têm apostado bastante nesta questão mais estética, sendo que a Saída de Emergência se destacou nesse campo. Desde a capa com relevos e harmonia na escolha de cores, até ao índice cuidado e apelativo. Enfim, a edição é um verdadeiro regalo para os olhos, antes mesmo de desfrutarmos da sua escrita.

É pena que, por vezes, as bandas portuguesas pareçam alcançar o seu reconhecimento mais meritório em território estrangeiro do que nacional. Sempre foi esta a ideia que tive dos Moonspell, uma banda de talento, reconhecida mais lá fora do que no seu próprio país. E no seu livro, Ricardo S. Amorim parece dar-me razão ao revelar, logo nas primeiras páginas, que um jornalista britânico  se deslocou propositadamente a Portugal para entrevistar a banda num dos seus concertos mais importantes. 

O livro fala dos integrantes da banda não como seres paranormais (como o título poderia, inicialmente, antever) mas como pessoas iguais a nós, pais, companheiros, netos (não esqueço a história do avó do Ricardo de 87 anos na plateia) que "apenas" têm o dom e a capacidade de proporcionar, a outros milhares de pessoas, horas e momentos inesquecíveis com as suas músicas incríveis. São bandas como esta que nos fazem querer, também nós, apostar mais no estudo da música. Gostei ainda das referências constantes a outras bandas, incluindo Lacuna Coil (que tive a felicidade de já conseguir entrevistar - ver aqui) ou Bizarra Locomotiva (ver entrevista aqui).

Enfim, gostei imenso do livro. O Ricardo fala connosco com um tom intimista.. quase sentimos que estamos com ele numa mesa de café, onde o autor nos vais intercalando vivências pessoais com a história da própria banda, passando por referencias históricas relacionadas com a própria música (aprendi imenso sobre metal, black metal etc.). É um livro para os amantes da banda, mas também para os amantes do mundo metal em geral e, arriscaria dizer, para qualquer amante de uma(s) boa(s) biografia(s).  

Há histórias curiosas e engraçadas. Há relatos das dificuldades da banda com as tournée, especialmente no início da carreira. Coisas que raramente paramos para pensar. Quando falamos de grandes bandas mais facilmente gostamos de relatar (ou imaginar) a "bela" vida que têm, e nunca paramos para reflectir sobre as dificuldades que elas podem ter. Há histórias de bebedeiras, amizades, disputas, acidentes (como um carro a arder na Alemanha - estes rapazes passaram por cada peripécia!). Até há romance! A título pessoal destaco a história/relação entre o Ricardo e a Mariangela. Uma bonita história de amor que junta aqui uma lufada diferente no livro. Fala-se em música, muita música, muitas bandas, e literatura. Fala-se em José Luís Peixoto e em algumas coincidências interessantes  dele com Fernando Ribeiro. O autor, no livro, desvenda como a música (e os Moonspell) acabam por ter um papel importante na escrita das suas obras. E sendo Fernando Ribeiro uma pessoa tão culta fui-me questionando e pensado de que forma é que o contrário também deve acontecer. 

Enfim, aconselho-o a todos os fãs da banda ou, como disse em cima, a quem queira saber mais sobre metal e música em geral. Qualquer fã da banda tem de ter esta obra na sua estante. 

sábado, 21 de julho de 2018

0

Vídeo: BookHaul Junho 2018


Fiquem com o vídeo onde vos mostro os livros que chegaram cá a casa em Junho :)



Link para o Youtube: https://youtu.be/eyiHFSYB1KE

quarta-feira, 18 de julho de 2018

0

[OPINIÃO] Livro: Laços (Domenico Starnone)



Título: Laços
Autor: Domenico Starnone
Editor: Alfaguara

Um romance magistral sobre as forças subterrâneas do amor.
De um dos mais destacados autores italianos, vencedor dos Prémios Strega, Bridge, Castiglioncello e Comisso.

Eleito um dos melhores livros do ano
The New York Times * Kirkus Reviews * The Sunday Times

SINOPSE

«Aprendemos os dois que, para vivermos juntos, devemos dizer um ao outro muito menos do que aquilo que calamos.»
O amor é um jogo sublime. E uma perigosa armadilha.
Como muitos casamentos, o de Vanda e Aldo foi sendo desgastado pelo tempo, a tensão, o atrito, a rotina, a infidelidade. Mas sobreviveu ileso. Ou talvez não.
Olhando de perto, com atenção, é possível ver as finas fissuras que podem estilhaçar o casamento, como uma pequena jarra que se toca ao de leve e se desfaz em mil pedaços.
O que deixamos para trás quando deixamos alguém? Uma casa, uma família, um passado, uma ideia de futuro?
Quão fortes são os laços que nos unem aos que amamos? E quão livres nos permitem ser?
Domenico Starnone oferece-nos um olhar incisivo e terno sobre o amor, o casamento, a família, o legado que deixamos aos nossos filhos e o lugar que a liberdade individual pode ter no meio de tudo isso. Um romance provocador, intensíssimo e verdadeiro, pela mão de um dos maiores nomes da literatura italiana contemporânea.

Os elogios da crítica:
«Um livro de enorme inteligência e impacto emocional.»
The New York Times

«O relato agudo de um casal em crise. (...) Uma história brilhante e cortante como um pedaço de vidro.»
The Guardian

«Um romance superlativo. A radiografia de um amor que de amor apenas tinha o nome. A escrita brilhante de Starnone é como um tornado.»
Il Giornale

«Um estudo magistral sobre a passagem do tempo.»
National Post

«Delicado e viciante.»
Il Corriere della Sera

«A autópsia complexa e devastadora de uma relação.»
The Times

«Cada detalhe faz sentido, desde o nome do gato da família à forma particular de Aldo atar os sapatos. Laçosé uma joia literária, que se destaca pelas personagens singulares e pela clareza do estilo.»
BBC

«Um dos romancistas mais destacados de Itália, embora menos conhecido. Um pós-modernista ao estilo de Italo Calvino.»
The New York Times

«Um escritor atípico, um lobo solitário que vive a literatura através da experiência pessoal. (...) Sempre original.»
La Stampa

«Uma corajosa anatomia de um casal em crise.»
Il Messaggero

OPINIÃO
(Roberta)

Por vezes há livros que sabemos que temos de ler, porque um autor ou a sinopse nos chama à atenção. Há outros que partimos para a leitura totalmente desprovidos de qualquer ideia, e de repente encontramo-nos totalmente embrenhados numa história que mexe com a nossa cabeça.. uma história que não conseguimos largar. Outras vezes há uma mistura dos dois... 

Assim que recebi este livro soube que tinha de o ler. Primeiro porque qualquer livro da Alfaguara tende a chamar por mim. É como ter um selo/marca de qualidade per se. Mas neste livro houve outras coisas que me impelriam a agarrá-lo. Primeiro o facto de o autor ser italiano (ainda para mais do sul - Nápoles) e eu nunca ter lido nada dele. Depois uma frase que se encontrava na sinopse: "(...) Aprendemos os dois que, para vivermos juntos, devemos dizer um ao outro muito menos do que aquilo que calamos". Ora esta frase tocou-me logo porque não concordo com ela. De todo. Faço parte daquele conjunto de pessoas que prefere levar com uma verdade tão poderosa que é sentida como uma facada real do que lidar com mentiras ou omissões que, momentanea- e ilusoriamente, nos tirem a mente de preocupações. Por isso sabia que teria de ler este livro para conseguir compreender melhor o porquê desta afirmação. Não é por não concordar com uma frase que isso vai comprometer a minha leitura. Aliás, este livro está cheio de personagens que têm acções que eu condeno totalmente, que não compreendo, que não compartilho, e no entanto este tornou-se num dos melhores livros que li nos últimos tempos. Porque para além de uma história ou de personagens com as quais nos conseguimos identificar, uma das melhores coisas que se pode ter é uma experiência de leitura fora do comum. Uma experiência de leitura que nos arrebata e que mexa connosco e com os nossos pensamentos.. que reaviva memórias, que nos permita construir cenários.. enfim... uma história que mexe, literalmente, connosco e nos ajude a soltar a imaginação. E foi isso mesmo que este livro me proporcionou.

Não se deixem enganar, este não é um livro sobre o amor... ou talvez seja um livro sobre o que é o conceito de amor para algumas pessoas, e se assim for só me resta dizer que me parece ser um livro, infelizmente, realista. 

Mas é um livro sobre a vida em casal, um livro sobre casamento, sobre infidelidade, sobre a capacidade de perdoar, sobre crescer e envelhecer, sobre viver a vida e sobre a consequência dos nossos actos. É um livro que se devora... que não nos deixa sossegados ao longo do dia, porque Domenico Starnone conseguiu fazer uma coisa absolutamente fantástica: criou uma história interessante, um enredo giro, com a capacidade de reflexão e uma boa escrita. Aconselho-o vivamente. 

quarta-feira, 11 de julho de 2018

0

[OPINIÃO]: Livro: Pena de viver assim (Luigi Pirandello)



Título: Pena de Viver Assim
Autor: Luigi Pirandello 

SINOPSE

A protagonista, que se torna tema central do conto, é a senhora Leuca, uma mulher abandonada pelo marido durante onze anos. A sua nostalgia e a sua dor são contínuas e fazem com que ela assista ao desenvolvimento da sua própria vida sem ter poder de intervenção. A saudade dos sentidos que a atormenta constrói este conto de grande e trágico humorismo.

OPINIÃO 
(Roberta)

Sempre ouvi falar imenso deste autor. Talvez por ter nascido numa cidade muito pertinho da minha, sempre tive curiosidade de lhe dar uma oportunidade. No entanto o medo fez-me protelar muitas vezes esta tarefa, apesar de eu ter algumas obras do autor, quer em português quer em italiano. Luigi Pirandello é um autor muito querido em Itália tendo ganho o Prémio Nobel da Literatura.

Um dia, numa feira do livro do Porto, encontrei este conto a 3.50€ e achei que era um bom início. No entanto demorei a dar-lhe uma oportunidade. Foi por mero acaso que um dia decidi pegar-lhe, e apesar de ter custado a "entrar" no modo de escrita, acabei por adorar cada segundo de leitura. 

Neste pequeno conto acompanhamos a história de vida (ou melhor, acompanhamos uma parte da história, mas ficamos a saber um pouco mais do seu passado) da senhora Léuca que vive sozinha numa casa desde que o marido a abandonou há 11 anos. Mas quando pegamos no livro encontramos uma senhora que está prestes a mudar a sua vida quando o marido decide voltar. A senhora Léuca vê, então, a sua vida pacata a ser desassossegada pelas visitas do ex-marido que todos querem que volte a reconciliar-se com a mulher e que ela acaba por ir recebendo por ser, na sua ideia, uma pessoa religiosa e que faz o bem. E mais não posso revelar...

Apesar de eu ter estranhado o estilo de escrita inicial (provavelmente ando a ler pouca boa literatura ultimamente) assim que engrenei na história esta tornou-se numa leitura agradável e rápida. Sem dúvida que vou ler os outros livros dele que tenho cá em casa, e aconselho-vos a começar por este. 

sábado, 7 de julho de 2018

sexta-feira, 6 de julho de 2018

0

[DIVULGAÇÃO]: Livro: Nevermoor (Nevermoor 1)



Título: Nevermoor (Nevermoor 1)
O desafio de Morrigan Crow
Autor: Jessica Townsend

NUVEM DE LETRAS, Junho 2018

Uma história de cortar a respiração sobre uma rapariga amaldiçoada que, ao escapar à própria morte, acaba num mundo mágico apenas para ser posta à prova de maneiras jamais imaginadas!

Publicado em mais de 40 países, Nevermoor está a caminho do cinema pelos estúdios da Twentieth Century Fox.

SINOPSE

Morrigan Crow é uma rapariga cheia de vida, muito curiosa e determinada.

E amaldiçoada...

O dia em que veio ao mundo - o dia de Eventide - marcou o início de uma era de azares para os habitantes de Jackalfax. O infortúnio que atrai para todos à sua volta condenou Morrigan e todas as crianças nascidas naquele dia a morrer na noite do seu décimo primeiro aniversário.

Ensombrada por esta maldição e sem qualquer perspetiva de futuro, tenta enfrentar o seu destino com bravura, apesar da indiferença dos pais. Mas, pouco antes de o relógio bater a hora marcada para a sua morte, a nossa heroína ganha uma nova esperança quando conhece Jupiter North, que a resgata do seu destino e a leva para a cidade secreta de Nevermoor, onde poderá ficar a salvo da maldição que a persegue. No entanto, para aí poder permanecer, terá de provar o seu valor e superar alguns desafios com a ajuda de um talento muito especial que insiste não ter.

Vencedor do Waterstones Children's

Book Prize 2018

Bestseller do The New York Times

Livro do ano para a Time Magazine, para a Bookseller e para o Chicago Tribune

Melhor livro infantil de 2017 para a Amazon

Numa incrível e mágica luta contra o tempo, Morrigan enfrentará provações sem fim e terá de usar o seu espírito aventureiro e inquisitivo para escapar ao trágico destino que a aguarda. Mas o pior perigo está à espreita e virá de onde menos espera.

Este é o primeiro livro de Jessica Townsend, aficionada de transportes públicos, cidades antigas, hotéis, Natal, cantores de ópera, Noite das Bruxas, sociedades secretas e gatos gigantes - tendo conseguido incluir todos estes elementos em Nevermoor. Vive na Austrália, mas, ao longo dos últimos dez anos, passou longos períodos em Londres, cidade que desde sempre alimentou a sua imaginação.

"Uma aventura ao estilo de Harry Potter."
Time Magazine

"Os leitores vão ter a sensação de que o Harry Potter cruza caminhos com a Alice no País das Maravilhas."
Kirkus Reviews

"Os fãs de Harry Potter vão adorar este livro, mas Nevermoor tem um encanto muito próprio."
The Observer

"Um enredo pleno de detalhes e originalidade, uma heroína fortíssima e uma história emocionante compõem esta leitura incrivelmente envolvente."
The Guardian

"A versatilidade, a construção de um novo universo, diálogos humorísticos e personagens cheias de cor completam este enredo de aventura e magia - onde se destacam a coragem, a autoconfiança e a esperança."
Publishers Weekly

"Encantador e divertido."
The Sunday Times

"O ponto fulcral desta história reside na forma como Morrigan reconhece o seu próprio valor e se assume como merecedora de atenção e afeto. Uma abordagem sombria, inspiradora e emotiva a uma rapariga que tem uma relação complexa com a magia num mundo altamente sofisticado."
The Bulletin

quarta-feira, 4 de julho de 2018

2

[OPINIÃO]: Livro: A montanha de livros mais alta do mundo (Rocio Bonilla)




Título: A Montanha de Livros Mais Alta do Mundo
Autor: Rocio Bonilla
Editora: Jacarandá
Data 1ª Edição: 07/06/2018
ISBN: 978-989-88-9519-6
Nº de Páginas: 48
Dimensões: 222x299mm


SINOPSE

Lucas estava convencido de que nascera para voar. Olhava para os aviões, tentava inventar asas de todos os tipos, e até pediu para aprender a voar como presente de Natal! Mas nada funcionava…
Um dia, a sua mãe explicou-lhe que havia outras maneiras de realizar o seu sonho e pousou-lhe um livro nas mãos. Nesse mesmo dia, sem perceber, Lucas começou a voar… 
A Montanha de Livros Mais Alta do Mundo é um livro para despertar a imaginação em leitores de qualquer idade, com as ilustrações inconfundíveis de Rocio Bonilla, autora do bestseller "De que cor é um beijinho?"



OPINIÃO 
Roberta Frontini

Quem segue o blogue já percebeu que tenho uma paixão especial por livros infantis. Falo imenso deles no blogue e adoro partilhar e recomendá-los. Por isso mesmo, e por ter lido tantos, acho sempre que é difícil surpreender-me. 

Posso dizer-vos que este é dos livros infantis mais maravilhosos que li nos últimos tempos. Todo ele é absolutamente delicioso: as ilustrações são tão detalhadas, tão singelas (por vezes com um toque humorístico) e tão bonitas que nos prendem e nos fazem perder durante horas e horas a fio... 

A história é deliciosa e tenho a certeza que fará as delicias de todos os amantes dos livros. E aqui não me refiro, apenas, às crianças. Antes pelo contrário. De facto este livro exalta a importância da leitura, da imaginação... enfim... espelha bem aquilo que nós, verdadeiros e ávidos leitores sentimos com a leitura. 

Quero e vou ler este livro a todas as crianças que se aproximam à minha estante. Gosto de o fazer, gosto de ler livros às crianças que me rodeiam, e vou fazê-lo. 

Aconselho este livro a todos os amantes de livros: esta obra precisa de estar nas vossas bibliotecas! Aconselho-o a todos os pais e aos professores que têm a honra de trabalhar e ensinar os mais novos. Leiam este livro às vossas crianças... ensinem-nas a voar!


terça-feira, 3 de julho de 2018

0

[DIVULGAÇÃO]: Livros: Famílias Destrambelhadas & Pássaro que Voa


Hoje mostro-vos 2 livros absolutamente maravilhosos que chegaram cá a casa... 
Opiniões em breve :) 



Livro 1


Título: Famílias Destrambelhadas
Autor: Claudio Hochman 

Ilustrador: João Vaz de Carvalho


SINOPSE 


Existem por aí umas FAMÍLIAS realmente peculiares…


A algumas falta-lhes um bocado de sal e a outras sobra-lhes pimenta. Se acham que a vossa FAMÍLIA é um pouco destrambelhada, venham conhecer as doze retratadas neste livro.

Livro 2

Título: Pássaro que Voa
Autor: Claudio Hochman 
Ilustrador: Carlota Madeira Lopes


SINOPSE 


“Quase em segredo, disse-me que o sonho mais típico era o de voar. Os imigrantes sonham que voam. É uma maneira de poderem regressar à sua terra sempre que quiserem, sussurrou-me.”


Cinquenta depoimentos, ficções misturadas com realidade, por vezes dura.
As migrações: um dos grandes problemas atuais tratado com uma criatividade afetiva que não esquece a dureza do tema.

Gonçalo M. Tavares

segunda-feira, 2 de julho de 2018

2

#ML122dias

Resumo Geral da Maratona
#ML122dias



Resumo Maratona

Apesar de extremamente difícil, nesta maratona ainda conseguimos superar as anteriores. Estão todos de PARABÉNS! Apesar de se terem lido menos livros, leram-se mais páginas e houve mais participantes. Obrigada a todos!

Nº de participantes no grupo do Facebook: 100
Nº de participantes que fizeram resumo final: 52
Nº total de de livros lidos contabilizados: 706
Nº total de páginas lidas contabilizadas: 214 096
Fotos partilhadas no Instagram: 158


Então está na hora de anunciar os vencedores :) Em Baixo segue a lista de participantes e os resultados. Eu e a Cristina estamos extremamente felizes e orgulhosa de todos!

Parabéns a todos! Vemo-nos na próxima maratona? http://flamesmr.blogspot.com/2018/06/mlpalavrasdeverao.html



Peço agora às vencedoras as vossas moradas. 
PARABÉNS A TODOS!!!!
0

ENTRETENIMENTO / EVENTOS / ESPECTÁCULOS: Novo CD/DVD dos Moonspell: "Lisboa Under the Spell" | 17 AGO


MOONSPELL APRESENTAM:
LISBOA UNDER THE SPELL

NOVO CD/DVD OFICIAL DO CONCERTO NO CAMPO PEQUENO


PRÉ-VENDA EM 

Dez anos após o lançamento do primeiro DVD dos Moonspell (Lusitanian Metal, 2008), a banda volta a editar um espetáculo ao vivo neste formato. O concerto de 4 de fevereiro de 2017 que encheu o Campo Pequeno em Lisboa será agora revivido em DVD, a ser lançado a 17 de agosto.

Esta edição única e limitada contém 1 DVD, 1 Blu-ray e 3 CD’s ao vivo.

O conteúdo conta com mais de 3 horas de espetáculo, gravado ao vivo perante milhares de fãs numa das mais emblemáticas salas da capital portuguesa. A banda tocou um set especial, interpretando na integra os seus discos clássicos (Wolfheart e Irreligious) e o disco de 2015, número 1 de vendas em Portugal, "Extinct".

"Lisboa Under the Spell" contém ainda um documentário realizado por Victor Castro(Moonspell, Black Mamba, Richie Campbell) que assina também a direção do DVD, sobre as semanas que antecederam a subida ao palco, num olhar aos afetos e cumplicidade que rege esta banda lendária.

Destaque para a edição em triplo LP, inédita em Portugal, do concerto ao vivo que conta com participações especiais como a da cantora Mariangela DeMurtas e Carolina Torres.

DATAS DE ESPETÁCULOS:

Digressão de verão:
15/6: PT- VALONGO, Fábrica das Lousas, Conta-me Histórias
29/6: GRE- CRETE, Chania Rock Fest
5/7: PT- PORTEL, Semana da Juventude
13/7: GER, Dong Open Air
14/7: PT-RÉGUA, Concentração Motard do Douro
27/7: PT- GERÊS, Gerês Rock’ Fest
3/8: CZE- OSTRAVA. Ostrava v Plamenech
4/8: GER- Gossnitz Open Air
10/8:PT- Vagos Open Air
1/9: PT, Faro- Festival F

Depois da digressão de verão, em que os Moonspell estão a apresentar o seu mais recente disco "1755", a banda parte para uma intensa digressão internacional durante dois meses pelos EUA e Canadá:

07.09.18 US - New York, NY / Gramercy Theater
08.09.18 CA - Montreal / Cafe Campus
09.09.18 CA - Quebec City / Imperial de Quebec
10.09.18 CA - Toronto / Opera House
11.09.18 US - Ft Wayne, IN / Pierre's
12.09.18 US - Detroit, MI / Harpo's
13.09.18 US - Joliet, Il / The Forge
14.09.18 US - Minneapolis, MN / The Cabooze
15.09.18 CA - Winnipeg / Park Theatre
17.09.18 CA - Edmonton / The Starlite Room
18.09.18 CA - Calgary / Dickens
19.09.18 CA - Vancouver / Rickshaw Theater
20.09.18 US - Seattle, WA / El Corazon
22.09.18 US - Berkeley, CA / The UC Theatre
23.09.18 US - Anaheim, CA / City National Grove
24.09.18 US - West Hollywood, CA / Whiskey a Go Go
25.09.18 US - San Diego, CA / Brick By Brick
26.09.18 US - Tempe, AZ / Marquee Theatre
27.09.18 US - Las Vegas, NV / House of Blues
28.09.18 US - Salt Lake City, UT / Liquid joe's
29.09.18 US - Denver, CO / Herman's Hideaway
01.10.18 US - Dallas, TX / Trees
02.10.18 US - San Antonio, TX / Rock Box
03.10.18 US - Houston, TX / Scout Bar
05.10.18 US - Tampa, FL / Orpheum
06.10.18 US - West Palm Beach, FL / Kelsey Theater
07.10.18 US - Atlanta, GA / The Masquerade
09.10.18 US - Louisville, KY / Diamond Pub and Billiards
10.10.18 US - Durham, NC / Motorco
11.10.18 US - Baltimore, MD / Soundstage
12.10.18 US - Philadelphia, PA / The Trocadero
14.10.18 US - Clifton Park, NY / Upstate Concert Hall

domingo, 1 de julho de 2018

0

[DIVULGAÇÃO]: Livros: O desaparecimento de Stephanie Mailer & O céu é nosso



Título: O desaparecimento de Stephanie Mailer
Autor: Joël Dicker
Chancela: ALFAGUARA
Data de publicação: 07/2018

SINOPSE

Na noite de 30 de Julho de 1994, a pacata vila de Orphea, na costa leste dos Estados Unidos, assiste ao grande espectáculo de abertura do festival de teatro. Mas o presidente da Câmara está atrasado para a cerimónia# Ao mesmo tempo, Samuel Paladin percorre as ruas desertas da vila à procura da mulher, que saiu para correr e não voltou. Só pára quando encontra o seu corpo em frente à casa do presidente da Câmara. Dentro da casa, toda a família do presidente está morta.

A investigação é entregue a Jesse Rosenberg e Derek Scott, dois jovens polícias do estado de Nova Iorque. Ambiciosos e tenazes, conseguem cercar o assassino e são condecorados por isso. Vinte anos mais tarde, na cerimónia de despedida de Rosenberg da Polícia, a jornalista Stephanie Mailer confronta-o com uma revelação inesperada: o assassino não é quem eles pensavam, e a jornalista reclama ter informações-chave para encontrar o verdadeiro culpado.

Dias depois, Stephanie desaparece.

Assim começa este thriller colossal, de ritmo vertiginoso, entrelaçando tramas, personagens, surpresas e volte-faces, sacudindo o leitor e impelindo-o, sem possibilidade de parar, até ao inesperado e inesquecível desenlace.

O que aconteceu a Stephanie Mailer?

E o que aconteceu realmente no Verão de 1994?

Mal posso esperar para ler este livro. Joël Dicker escreveu um dos meus livros favoritos da vida. Já obriguei imensa gente a lê-lo, e nunca ninguém se arrependeu :p 

Título: O céu é nosso
Autor: Luke Allnutt
Chancela: SUMA DE LETRAS
Data de publicação: 07/2018

SINOPSE

Rob Coates não acredita na sua sorte. Tem Anna, a sua incrível mulher e, o mais precioso de tudo, Jack, o filho, que faz de todos os dias uma aventura extraordinária. Rob sente que ganhou a lotaria da vida. Até o dia em que tudo muda, quando Anna se apercebe de que há algo errado com Jack.

É então que o mundo de Rob começa a desmoronar-se. De repente, encontra-se sozinho, procura consolo em fotografar os arranha-céus e os penhascos que ele e Jack costumavam visitar. E quando parece que toda a esperança está perdida, Rob embarca na mais inesquecível das jornadas para encontrar o caminho de volta à vida e ao perdão.

O Céu É Nosso é um romance terno e comovente sobre o amor. A estreia literária de Luke Allnutt é um estímulo e um convite à reflexão, que nos mostra, através do despertar do protagonista, que, quando tudo está perdido, o que resta é o amor.

1%

1%