Envie esta página a um amigo!

domingo, 2 de outubro de 2016

0

Deixava de dormir por... : Novidades Literárias do mês de Setembro


Depois da habitual calma do mês de Agosto, eis que Setembro chega em força repleto de novidades literárias que facilitam a despedida das férias e regresso ao trabalho/escola.
Aqui estão os livros que habitaram os nossos sonhos nas últimas semanas:




"Numa conversa sobre o propósito da vida, Héctor e Francesc decidiram rumar à aldeia com maior índice de longevidade do mundo: Ogimi, em Okinawa, Japão. Ao conviverem com as pessoas mais velhas do planeta, conheceram os segredos mais bem guardados para se ter uma vida longa, saudável e feliz, que se pode resumir num conceito: Ikigai. Conheça a dieta especial e o treino físico e mental que esta “aldeia dos centenários” segue. Beber chá, satisfazer o estômago em apenas 80%, conviver e estar permanentemente ocupado, são algumas das sugestões que encontrará neste livro. Leia, reflicta, pratique e ganhe anos de vida!"






"Um terno e divertido novo título de David Walliams, magnificamente ilustrado por Tony Ross. Na nova obra do humorista britânico, o leitor é convidado a recuar até 1983 para conhecer o avô Bandeira, herói da Segunda Guerra Mundial, e Jack. Quando o presente e as memórias recentes começam a escapar ao avô – quando deixa de reconhecer o filho ou de saber se a mulher Peggy ainda é viva ou não – a família decide deixá-lo ao cuidado do lar de idosos da aldeia. Mas como pode a família prendê-lo no lar se, na sua cabeça, Bandeira é um jovem piloto de caças Spitfire, empenhado em proteger o Reino Unido da ameaça de Hitler? Jack não sabe o que é a doença de Alzheimer nem por que razão o avô revive as histórias de guerra que lhe contou desde sempre. Para o neto, o avô Bandeira está simplesmente a brincar. E, tal como todas as crianças, ele adora brincar. Assim, juntamente com o ás dos céus, vai planear uma ousada fuga e embarcar na maior das aventuras. Um divertido e afetuoso livro sobre a especial relação de amor e amizade entre avós e netos, A Incrível Fuga do Meu Avô promete emocionar leitores pequenos e graúdos."



"Como seguir em frente depois de se perder a pessoa amada?Como construir uma vida que valha a pena ser vivida? Louisa Clark já não é uma jovem banal a viver uma vida banal. O tempo que passou com Will Traynor transformou-a, sendo agora uma pessoa diferente que tem de enfrentar a vida sem ele. Quando um insólito acidente obriga Lou a regressar a casa dos pais, é impossível não sentir que está de volta ao ponto de partida. Lou sabe que precisa de um empurrão que a traga de novo à vida. E é assim que acaba por ir parar ao grupo de apoio Seguir em Frente, cujos membros partilham sentimentos, alegrias, frustrações e bolos intragáveis. Serão também eles que a levarão até Sam Fielding – um paramédico que trabalha entre a vida e a morte, e o único homem que talvez seja capaz de a compreender. Mas eis que uma personagem do passado de Will surge de repente e lhe altera todos os planos, lançando-a num futuro muito diferente…. Para Lou Clark, a vida depois de Will Traynor significa reaprender a apaixonar-se, com todos os riscos que isso implica. Em "Viver Sem Ti", Jojo Moyes traz-nos duas famílias, tão reais como a nossa, cujas alegrias e tristezas nos tocarão profundamente ao longo de uma história feita de surpresas."




"A vida de Mia Saunders continua no terceiro livro perversamente escaldante da série «A Rapariga do Calendário»! Nestes três meses, Mia desloca-se a Miami, ao Texas e à sua terra natal, Las Vegas. Em Julho, será sedutora num videoclip do artista de hip-hop, com discos de platina, Anton Santiago. A recuperar do trauma sofrido em Junho, a nossa rapariga abre o coração e descobre que correr riscos lhe concederá o que sempre desejou, necessitou e muito mais. Em Agosto, Mia viaja para o Texas vestindo a personagem e representando o papel de ser a irmã perdida do magnata do petróleo e importante homem de negócios Maxwell Cunningham. O trabalho devia ser canja, só que são revelados segredos do passado que mudarão o que sempre acreditou ser verdade. Em Setembro, Mia parte para a sua Sin City, onde o mundo à sua volta parece desmoronar-se. As pessoas que ama travam batalhas para as quais não está preparada, mas que se sente desesperada por resolver antes de perder tudo."




"Um livro que ajuda os pais a entender os filhos e fornece as ferramentas essenciais e incontornáveis para o grande desafio da educação parental. Durante os primeiros seis anos de vida, o cérebro infantil tem um potencial que nunca mais voltará a ter. Isto não significa que devamos tentar transformar os nossos filhos ou alunos em pequenos génios, porque, para além de ser impossível, um cérebro que se desenvolve sob pressão pode perder parte da sua essência pelo caminho. Este livro é um manual prático que sintetiza os mais avançados conhecimentos da neurociência para que pais e educadores facilitem a criação de ligações mentais que ficam para a vida e ajudam as crianças a atingir a plenitude intelectual e emocional.Uma obra indispensável que ensina os pais a ser a melhor influência para o desenvolvimento dos filhos e a prevenir dificuldades como o défice de atenção, a depressão infantil e problemas de comportamento."





"Um dos romances maiores de Naipaul. Duro, mas cheio de compaixão. Este livro começa por contar a história de um criado indiano em Washington, que adquire a cidadania americana, mas que sente já não fazer parte do grande fluxo da vida. Segue-se a história do caribenho de origem asiática em Londres: está perturbado, preso por homicídio, mas nunca saberá onde se encontra. A terceira e principal narrativa desloca-se para África, para um país ficcional parecido com o Uganda ou o Ruanda. As personagens centrais são dois ingleses, que no passado sentiam África como um continente libertador, que entretanto o deixara de ser. Em tempo de conflitos tribais, no meio de uma grande insegurança, os dois terão de empreender uma longa viagem."








"A Cidade e a Montanha vigiam-se mutuamente, num jogo de espelhos e de contrários, numa geometria de centros e periferias, num enredo de poderes e de ocultações, onde muitas são as maneiras de viver a clandestinidade e muitas são as clandestinidades: escondidas, distantes; umas, vividas; outras, à vista de todos. Dois homens, Marcel e Norberto, atravessam, juntos, todo o tempo de uma vida. Escolheram, para viver, a ficção, e é nela que são clandestinos. Com eles vêm encontrar-se João Francisco e Otília. Ele, violinista e professor de música, ela, a sua jovem neta, ambos na busca incessante do sublime, também eles recusados pela realidade. Um homem que escrevia azulejos – que reencontrou a utopia e gostava da sátira – reparou neles e pintou-os com palavras. "O Homem Que Escrevia Azulejos", de Álvaro Laborinho Lúcio, debate e ilumina-se das grandes ideias da modernidade, enquanto observa, não sem algum detalhe pícaro, a falência das sociedades em que vivemos. Um romance culto e empenhado sobre o poder, e o poder redentor da arte e do amor."





"A verdade surpreendente sobre o sucesso (E porque é que algumas pessoas nunca aprendem com os erros). O que tem a equipa de Fórmula 1 da Mercedes a ver com a Google? O que tem a equipa de ciclismo Team Sky a ver com a indústria da aviação? Que ligação há entre o inventor James Dyson e o futebolista David Beckham? Todos tinham “caixa negra” – ou seja, usavam o método de pensamento caixa negra. Quer seja para desenvolver um novo produto, aperfeiçoar uma competência ou acertar numa decisão crítica, estes pensadores não têm medo de assumir erros. Na verdade, consideram o fracasso a melhor forma de aprender. Em vez de negar o risco, não assumir os erros, culpar os outros ou as circunstâncias e simplesmente “fugir com o rabo à seringa”, estas empresas e empreendedores assumem a “vacina” do erro e integram-no na sua estratégia para o sucesso.E é por isso mesmo que o atingem."







"Um casal com dois filhos decide mudar de vida e ir viver para uma aldeia, numa pequena quinta. Ele é poeta e crítico literário, ela é pintora. Durante um dia nas suas vidas, uma sucessão de eventos desperta memórias profundas. Confrontado com uma leucemia em remissão, a morte entra e sai em diálogo constante. Mas é o saber rural milenar transmitido pelas pessoas da aldeia que contamina o ambiente e influencia o casal com as suas visões do mundo num país em pleno processo pós-revolucionário e a dar os primeiros passos na democracia. O que lhes reserva o futuro? Quanto tempo ainda lhes resta de felicidade num mundo em constante mudança?"






"Addy Hanlon sempre foi a melhor amiga de Beth Cassidy e a sua parceira de confiança. Ambas cheerleaders temidas pelas raparigas da escola, atingiram o pico das suas carreiras no secundário e lideram uma claque intensamente competitiva e admirada por todas as colegas – até ao momento em que chega a nova treinadora. Dominante e carismática, e uma emissária do mundo adulto além do alcance das jovens, a treinadora Colette French seduz Addy e as outras cheerleaders com o seu charme. Apenas Beth, incapaz de aceitar a nova autoridade, permanece fora do círculo de confiança da treinadora, tentando por todos os meios recuperar a sua posição como cheerleader de topo. Mas quando um crime abala a comunidade, começa uma investigação policial que tem como alvo as alunas da escola. À medida que se aproxima o final da época, Addy e Beth irão aprender, da pior forma, que as fronteiras entre lealdade e amor podem ser um terreno perigoso num jogo que já ultrapassou todos os limites."




"Um livro que revela que nem todos os refugiados da Segunda Guerra Mundial se conseguiram salvar através de Portugal. A 7 de Novembro de 1940 partiu do Luxemburgo, país onde o nazismo tentou fabricar o primeiro país “livre de judeus”, um comboio com 293 passageiros que tinha Portugal como destino. Mas ao contrário de outros comboios com judeus em fuga, não foi dada autorização na fronteira de Vilar Formoso para que entrasse no país. Os refugiados ficaram mais de uma semana fechados nas carruagens, numa atmosfera desumana, sujeitos a um frio intenso e alimentando-se do pouco que a população pobre da zona tinha para lhes oferecer: pão, café e, por vezes, sopa. Ao fim de cerca de dez dias, o impasse foi quebrado. Já com as negociações em curso para instalar os judeus no Luso, o governo de Salazar negou-lhes a entrada em Portugal, empurrando-os assim para uma morte mais do que provável. De regresso a França, estiveram ainda vários dias confinados ao comboio até os alemães decidirem interná-los em Mousserroles, perto de Baiona, num antigo campo de internamento.  Mas porque foram os refugiados impedidos de entrar em Portugal? Após a análise de documentos inéditos e de entrevistas a sobreviventes e seus familiares, explicam-nos as razões deste acontecimento histórico muito pouco conhecido que deixa cair por terra a ideia de que Portugal acolhia todos os refugiados da Segunda Guerra Mundial. "




"Em finais do século XIII, Aragão é um reino poderoso e rival de Castela, o gigante que acaba de se unir a Leão. Isabel, a filha mais velha do rei aragonês, exibe desde cedo uma personalidade rara. É bela, inteligente, devota, caridosa – e, por isso, naturalmente cobiçada por várias cortes europeias para uma aliança de casamento. Isabel tem outros sonhos, que não passam por ocupar um trono nem exercer o poder, mas interesses políticos acabam por ditar a sua união com D. Dinis, o brilhante e ambicioso rei de Portugal, no ano de 1282. O jovem soberano português sabe que, para pôr em prática os seus grandes planos de desenvolvimento do reino, deve manter- se afastado das guerras que grassam pela Península Ibérica. Mas nem a paz perdura, nem Isabel se torna uma jovem submissa e alheada dos problemas políticos e sociais. Pelo contrário. Revela-se firme na defesa dos pobres, dos doentes e dos excluídos, em nome dos quais move montanhas, desafia convenções e se entrega aos maiores sacrifícios. E nos conflitos que vão abalar o reinado de D. Dinis, opondo pais e filhos ou lançando a discórdia entre irmãos, mostra-se corajosa e decidida, capaz de desafiar a autoridade do próprio marido e de influenciar o curso dos acontecimentos com a sua sensibilidade, poder de antevisão e amor à paz."






"A batalha de Moscovo foi o inferno na terra, terrível e sangrenta para invasores e defensores. Michael Jones reuniu, uma vez mais, testemunhos de civis e militares veteranos para nos trazer este quadro realista e impressionante. A Retirada é a história intensa e dramática do princípio do fim da Segunda Guerra Mundial, quando os exércitos de Hitler – em confrontos selvagens durante o inverno – sofreram a sua primeira derrota na Frente Oriental. Do autor de «O Cerco de Leninegrado» e «Guerra Total»."









 

"Em 1975, em plena guerra civil angolana, Helena regressa a Portugal, acompanhando o seu pai moribundo, disposta a esgotar todas as hipóteses de cura numa batalha inglória contra a morte. Tal como mais de oitocentos mil portugueses, espoliada de todos os bens, enceta nova luta para que quem lhe é próximo não desça ao inferno da pobreza. Estimulada pela revolta, fiel aos princípios e determinada nos objectivos, estuda e conquista o direito ao trabalho."












"Maria Rufina embarcou para os Açores em 1880, para aí viver com duas tias, depois de, ao ter ficado órfã, ter sido internada no hospício de alienados de Recife-Olinda. Em Ponta Delgada casou-se, nasceu-lhe um filho, para, cinco anos depois, na bancarrota de Portugal, o marido falir e suicidar-se. Duas alternativas restaram a Rufina. Ao decidir entre elas, escolheu a pessoa que seria, abriu um futuro ao filho, como ainda estabeleceu o sentido por que este a interrogou para se orientar na crise política do país no início do séc. XX. Uma história inspirada em pessoas e factos reais."







"Verdadeira imagem de Portugal, com a carne da História sublimada na auréola do mito, a Mensagem constitui, nos tempos modernos, uma das raras possibilidades de sobrevivência da epopeia em verso. Os pormenores sucedem-se, avultam, não já ligados por voluntariosas ou frouxas transições, mas numa aparente independência que maior força lhes dá e mais singularmente os ilumina. A obra foi, todavia, ideada em conjunto, e as três partes em que ela se divide correspondem a um desenho assaz preciso: na primeira – Brasão –, ficam interpretados os seculares motivos dos campos, dos castelos, das quinas, da coroa e do timbre; na segunda – Mar Português –, apresenta-nos ele um políptico do período áureo das navegações portuguesas; por fim, na terceira – O Encoberto –, sabiamente entrelaça os temas do auge e do declínio, da derrota e da esperança." David Mourão-Ferreira

Partilha no Facebook, Twitter ou Google Buzz:
Partilha no teu Facebook Partilha no teu Twitter Pubblica noGoogle Buzz

0 Opiniões:

Enviar um comentário

Obrigada por ter passado pelo nosso Blog e por comentar! A equipa do FLAMES agradece ;)

Ocorreu um erro neste dispositivo

1%

1%