Envie esta página a um amigo!

segunda-feira, 19 de agosto de 2013

4

Livros: O Ciclo Sefardita - 4 livros de Richard Zimler - O Último Cabalista de Lisboa, Goa ou o Guardião da Aurora, Meia-Noite ou o Princípio do Mundo e A Sétima Porta


Richard Zimler (pode ver a sua entrevista aqui) cedo me cativou com a sua simpatia, e quando decidi ler o meu primeiro livro dele, ler as suas obras tornou-se uma obsessão. Assim, este transformou-se no meu autor contemporâneos favorito.
Com a sua escrita inebriante, Zimler deixa-nos curiosos e atentos logo desde a primeira página. 

Para ler Richard Zimler é necessária uma ordem? A resposta correcta é NÃO... mas na MINHA opinião... CONVÉM! Pelo menos o "Ciclo Sefardita" que é composto por 4 livros. A verdade é estes 4 livros se debruçam sobre a família Zarco, uma família de judeus que habita em Portugal e, apesar de todos os livros serem independentes, a meu ver faz TODO o sentido que sejam lidos numa determinada ordem. Em baixo deixo-vos a minha SUGESTÃO (e não é mais do que isso mesmo) para a leitura deles.

Assim sendo, a meu ver, quem quer ler O Ciclo Sefardita poderia fazê-lo da seguinte forma:

1º O Último Cabalista de Lisboa


2º Goa ou o Guardião da Aurora


3º Meia-Noite ou o Princípio do Mundo


4º A Sétima Porta



Esta ordem é, como vos disse em cima, apenas a minha sugestão. Apesar de primeiro Richard Zimler ter escrito Meia-Noite ou o Princípio do Mundo antes do livro Goa ou o Guardião da Aurora, a meu ver faz sentido lê-los por esta ordem (depois de os lerem entenderão o porquê).

Um outro livro cuja ordem, para mim, é importante é o livro À Procura de Sana (vejam a minha opinião aqui) que deve ser lido SEMPRE DEPOIS de já se ter lido O Último Cabalista de Lisboa, pois contem um spoiler sobre este último.

Espero que gostem de ler as minhas opiniões, e sintam-se à vontade para comentar sobre elas.
 


Título: O Último Cabalista de Lisboa
Título Original: The last Kabbalist of Lisbon
Páginas: 384
Blogue do livro: http://o-ultimo-cabalista-de-lisboa.blogs.sapo.pt/


"O Último Cabalista de Lisboa" foi o 2º livro que li de Richard Zimler e o primeiro que foi assinado pelo autor; e encontra-se "ligado" de certa forma ao primeiro livro que li "À Procura de Sana". O autor conheceu Sana na Austrália, e esta disse-lhe que lera o seu livro "O Último Cabalista de Lisboa". Como o autor nos referiu numa entrevista"Essa bailarina, Sana, reconheceu-me e falou comigo. Disse que adorou o meu livro «O último cabalista de Lisboa» e que tinha sido um livro importante para ela."
Após o suicídio de Sana, Richard Zimler tenta compreender o porquê de ela se ter matado, e de que forma este livro a influenciou. Por um lado, aconselho que leia este livro antes de ler "À Procura de Sana", pois neste o autor revela algumas coisas sobre "O Último Cabalista de Lisboa". Relativamente à minha experiência (que foi o contrario) acabei por ter uma perspectiva diferente. Quando apareciam certas partes automaticamente eu pensava "o que será que Sana sentiu quando leu isto?".
Bom, mas independentemente desta ligação, a verdade é que os livros são completamente diferentes mas ambos são INCONTORNÁVEIS!
Richard Zimler tornou-se no meu autor contemporâneo favorito. A sua escrita é inebriante... consegue cativa-nos de uma maneira soberba. Durante dias foi-me impossível pensar noutras coisas que não fizessem parte do enredo que ele nos apresenta, nas personagens, no destino de cada uma...
Para além do mais, Richard Zimler transporta-nos para épocas que pouco conheço, oferece-nos conhecimento e faz-nos sentir os horrores que os judeus passaram nestas épocas.
Mas para compreender melhor, vamos ver um pouco da história.

Corre o ano de 1506. É Abril e celebra-se a Páscoa.. e é durante esta celebração religiosa que morrem cerca de dois mil cristãos-novos (judeus obrigados a serem convertidos). E este massacre é real e aconteceu em Lisboa, sendo os corpos queimados no Rossio. É neste cenário que encontramos a família Zarco, uma família de valores judeus mas que é impedida, como todos os da mesma religião, a mostrar e a celebrar rituais religiosos. Nesta altura o narrador, Berequias Zarco, encontra o seu tio morto na cave onde costumam, às escondidas, praticar estes mesmos rituais. Mas o mais estranho é que não encontra apenas o seu tio. Este está nú ao lado de uma rapariga que ninguém reconhece, despida. Ambos têm a garganta cortada e a cave encontra-se trancada por dentro. O que se terá passado? Quem os matou, como conseguiu desaparecer de um sala fechada à chave por dentro e porque o terá feito? É que contrariamente ao que parece, não foram os cristãos... Trata-se de um extraordinário romance-policial-histórico que nos deixa com o coração a palpitar. Uma história fantástica que retrata acontecimentos verídicos. A ler e RELER!
No último capítulo o autor faz uma coisa que eu adoro pois mete-nos a par dos destinos de TODAS as personagens envolvidas.




Título: Goa ou o guardião da Aurora
Título Original: Guardian of the Dawn
Páginas: 346

Em Goa, no séc. XVI, encontramos alguns membros da família Zarco, mais especificamente os irmãos Tiago e Sofia, o pai deles e o tio Isaac. Conhecemos Tiago já adulto que foi preso, tal como seu pai, devido à religião que pratica: o judeísmo. Mas isso significa... que alguém os traiu. Quem? E porquê? Para isso, o narrador conta-nos a sua infância, o modo como viviam, as ligações entre as personagens, a fim de conseguirmos, juntamente com ele, tentar chegar à verdade. E assim somos transportados para a Índia deste século... passeamos nas suas ruas, vemos as suas cores e sentimos os aromas exóticos que compõe esta viagem.
A última página tem dos melhores finais que já li na minha vida, e valeu tanto a pena. Está fantástico. Se o livro tivesse sido a maior porcaria de sempre (que NÃO foi de todo) a última página compensaria toda a leitura. O autor deixa-nos sempre saber o que aconteceu a cada uma das personagens. O que é muito bom!



Título: Meia-Noite ou o Princípio do Mundo
Título Original: Hunting Midnigth
Páginas: 540
Este livro foi, para mim, uma enorme surpresa. Assustada com o tamanho da obra e com os temas que não me diziam muito, achei que ía demorar imenso tempo a lê-lo. Mais uma vez, foi impossível parar de o ler e em menos de 1 semana, estava lido. Claro que o enredo não é tão frenético como no livro O Último Cabalista de Lisboa, mas desconfio que dificilmente voltarei a ler um livro como aquele. 

Nesta obra vamos encontrar John Zarco Stewart. John é apenas um rapazinho (filho de pai escocês e mãe portuguesa) quando o encontramos na primeira página da obra, mas vamos acompanhando a sua adolescência onde participa em inúmeras aventuras com o seu amigo Daniel e a querida Violeta. Com o tempo, descobre o que é ser judeu e o que isso implica (o que foi óptimo para mim pois aprendi imenso sobre esta religião de uma forma nada maçadora). Mais tarde, vai habitar para sua casa um negro chamado Meia-Noite que irá mudar para sempre a sua vida. Assim, ficamos a saber mais sobre África e sobre a América e a escravidão que se praticava naquela altura. Esta foi uma obra que fez rir e chorar... sorrir com os triunfos e maldizer as desgraças que acompanharam esta família.



Título: A Sétima Porta
Título Original: The Seventh Gate
Páginas: 656

Esta obra tinha tudo para ser a minha obra favorita do autor, mas de todos os 4 livros foi o que menos gostei. Terão sido as expectativas elevadas? Não sei.. talvez.. 

Como vos disse, este livro tinha tudo para eu o adorar: passa-se na segunda guerra mundial e fala de outro tipo de pessoas que sofreram com o nazismo que não os alemães judeus. Gosto imenso de livros/filmes/documentários sobre a 2ª Guerra Mundial e já li e vi muita coisa sobre esta temática. Quase sempre se fala nos judeus mas pouco se fala sobre as outras pessoas que também sofreram, como os alemães com alguma deficiência (física ou mental) ou os aderentes de outros partidos políticos. Muitas pessoas têm uma visão romanceada sobre a 2ª Guerra Mundial: Judeus mal tratados, alemães cristão todos felizes da vida. As coisas não se passaram desta forma taxativa e quem tem um verdadeiro conhecimento sobre esta época negra da História percebe que as coisas nunca se poderiam ter passado desta forma. O cinema é que nos transmite essa ideia errada. Richard Zimler como sempre é magistral e escreve-nos uma história onde a personagem principal. Sophie, uma alemã católica e um irmão diferente que se revolta com as injustiças que acontecem à sua volta. Escrito muito antes do livro "A rapariga que roubava livros", esta obra foi sem dúvida pioneira neste aspecto. 

No entanto houve um aspecto que não gostei no livro. Trata-se da relação (ou relações) amorosas que Sophie vai tendo ao longo da sua vida. Tendo em a personalidade dela tornou-se estranho para mim algumas das opções que foram sendo tomadas, e algumas das cenas que foram sido descritas ao longo do livro tornavam-se, para mim, totalmente desnecessárias. Penso que este facto minou um pouco a minha opinião sobre este livro. Tenho pena...


Roberta Frontini

Partilha no Facebook, Twitter ou Google Buzz:
Partilha no teu Facebook Partilha no teu Twitter Pubblica noGoogle Buzz

4 comentários:

  1. UAU! temos aqui uma excelente colecção e actualizações de Richard Zimler. Muito bem. O livro "À Procura de Sana" é fabuloso. Daqueles livros que, ainda não li, tenho acompanhado a crítica literária e tenho lido alguns excertos do livro, embora não o tenha, acho muito bom.
    Aliás, embora eu deteste temas ligados à guerra, tudo o que é sobre a 2ª Guerra, normalmente gosto, até porque no meu tempo de estudante, no 11º ano, era obrigatório na disciplina de francês darmos um autor que eu adoro, nessa altura, apenas conhecia a sua Obra poética que me fascinava e, quando tomei contacto com a parte literária da 2ª Guerra, por ser piloto e,claro estou a falar do "Vol de Nuit" de Antoine de Saint-Éxupery, rendi-me completamente, quer ao Autor, quer ao tema da 2ª Guerra.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigada pelo comentário. De certo que irá gostar do livro. Vale muito a pena.

      O tema da 2ª Guerra Mundial sempre nos disse muito...e "Os Anagramas de Varsóvia" é um livro fenomenal que retrata alguns factos tristes associados a esta guerra... mas é muito mais do que isso :)
      Continue a visitar-nos :)

      Eliminar
  2. Eu precisava da caracterização das personagens do livro "O ultimo cabalista de lisboa"
    para uma apresentação e não encontro na internet :c

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Também não faço ideia de onde isso se possa encontrar...

      Eliminar

Obrigada por ter passado pelo nosso Blog e por comentar! A equipa do FLAMES agradece ;)

Ocorreu um erro neste dispositivo

1%

1%