Envie esta página a um amigo!

quinta-feira, 20 de abril de 2017

0

Filme: A rapariga no comboio



Título Original: The girl on the train
Ano de Estreia: 2016
Género: Mistério, Drama
Realizador: Tate Taylor


* Por Mariana Oliveira *


Se eu fosse um filme, de maneira nenhuma quereria ser uma adaptação de um livro. Essa função é tão ingrata visto que, para mim, a maioria das adaptações ficam aquém da obra na qual se inspiraram. Infelizmente, o caso de “A rapariga no comboio” não foi diferente.
Decidi ver o filme cerca de dois anos depois de ter lido o livro (opinião aqui) mas as informações ainda estavam bem presentes na minha memória por isso foi fácil comparar os dois trabalhos.

Não posso dizer que este filme tenha sido um completo fiasco, mas não consegue chegar aos calcanhares da sua versão escrita. O livro tem passagens que me arrepiaram, ao mudar completamente a minha perspectiva sobre determinada personagem com duas ou três linhas. A forma como as personagens eram apresentadas permitia-nos ir até ao âmago dos seus sentimentos e ficar a conhecer o lado mais negro de cada uma delas. Já o filme acabou por ser demasiado parado e falhou em algo que o livro conseguiu muito bem alcançar: levar-nos por uma espiral de dúvidas através de personagens com defeitos à primeira vista ocultos.

Eu sei, eu sei… O facto de já saber quem era o assassino não ajudou a que eu pudesse sequer considerar outras personagens para esse papel, mas a meu ver em momento algum o filme apresentou argumentos suficientes para nos confundir e levar por outros caminhos.
E o que dizer da protagonista? Não tenho nada contra a Emily Blunt, mas achei a personagem dela tão insonsa e desprovida de carácter. Quando ela gritava e se afligia eu não conseguia sentir qualquer espécie de empatia. Uma personagem alcoólica tem tanto para ser explorado mas aqui ficou-se por alguém aborrecido e irritante.


Contudo, compreendo que para quem não conhecesse a história este filme poderia ser minimamente interessante. Mesmo assim, não seria merecedor de todo o burburinho criado à volta dele.

Partilha no Facebook, Twitter ou Google Buzz:
Partilha no teu Facebook Partilha no teu Twitter Pubblica noGoogle Buzz

0 Opiniões:

Enviar um comentário

Obrigada por ter passado pelo nosso Blog e por comentar! A equipa do FLAMES agradece ;)

Ocorreu um erro neste dispositivo

1%

1%