Envie esta página a um amigo!

quinta-feira, 17 de setembro de 2015

0

Filme: O Refúgio de Stonehearst


 Título Original: Stonehearst Asylum
Ano: 2014
Género: Thriller, Terror
Realizador: Brad Anderson


Duas razões despertaram o meu interesse neste filme: a promessa de uma história de terror baseada num conto do grande Edgar Allan Poe e a participação de um dos actores que mais admiro: Sir Ben Kingsley. Houve, ainda, um "brinde" extra pois só depois de estar a ver o filme é que me apercebi que o enorme Michael Caine também participava. A combinação parecia absolutamente perfeita!


Sinopse:
"A história narra a chegada de um jovem psiquiatra, Edward Newgate, ao asilo Stonehearst, uma verdadeira mansão isolada no meio das montanhas, longe de uma sociedade que quer esquecer aqueles que lá colocou. Rapidamente, o inexperiente médico deixa-se seduzir por uma das doentes internadas o que faz com que não repare imediatamente em algo de muito estranho que se passa naquela instituição. É que todo o seu staff parece bastante suspeito, algo certamente de muito errado se passará nesse hospital..."


Opinião:
"Em primeiro lugar, quero ressalvar que se há coisa que este filme não tem é qualquer tipo de terror. Por isso mesmo, se estão à procura de uma história que vos tire o sono durante dois dias, "O Refúgio de Stonehearst" não é a melhor opção. Esse pormenor não deixou de desiludir-me, mas como também sou fã de filmes de suspense decidi continuar a ver até ao fim.

Sir Ben Kingsley, como eu já esperava, não desiludiu e brilhou no meio de um elenco repleto de estrelas. Ainda estou para descobrir o filme em que ele não tenha um desempenho de génio!
Relativamente à forma como a história decorre, e correndo o risco de soar algo ridícula para quem leu o conto em que a mesma é baseada pois confesso que não o fiz, não gostei de terem revelado o cerne de toda a questão logo numa fase tão inicial. Gostava que tivessem adensado o mistério durante mais algum tempo, em vez de revelarem logo na primeira fase a resposta por detrás do estranho comportamento de todo o staff. A partir daí, o desenrolar dos acontecimentos tornou-se algo previsível e a história passou a ser apenas mais um filme de romance e mistério com bastantes situações estranhas à mistura, ou não estivéssemos a falar de uma instituição para pessoas com doenças mentais.
É verdade que o final ainda reserva uma surpresa que acredito que no tempo de Edgar Allan Poe tenha sido um golpe de mestre de deixar qualquer um surpreendido, mas nos dias de hoje não faltam filmes com desfechos algo semelhantes. Por isso, nem mesmo esse pormenor serviu para tornar este filme memorável.
Não posso dizer que tenha detestado, no entanto está longe de ser um filme que considero memorável."

Por Mariana Oliveira


Partilha no Facebook, Twitter ou Google Buzz:
Partilha no teu Facebook Partilha no teu Twitter Pubblica noGoogle Buzz

0 Opiniões:

Enviar um comentário

Obrigada por ter passado pelo nosso Blog e por comentar! A equipa do FLAMES agradece ;)

Ocorreu um erro neste dispositivo

1%

1%