Envie esta página a um amigo!

sábado, 7 de novembro de 2015

0

Deixava de dormir por... : Novidades literárias do mês de Outubro

Terão sido os doces do Halloween ou as castanhas que o cada vez mais próximo Magusto promete a desviar a nossa atenção, mas a verdade é que as novidades do passado mês de Outubro só agora irão ser abordadas. Demasiado tarde dirão vocês? Nada disso! É que com tantas novidades incríveis que saíram, foi necessário fazermos uma selecção exaustiva para vos apresentar aquilo que, na nossa opinião, consiste no crème de la crème das novidades literárias. E os livros que nos tirariam o sono são:






"São poucas as pessoas que podem dizer que viram passar uma parte importante da história do século xx ante os seus próprios olhos. Não como meros espectadores, mas quase que a devorando. Marita Lorenz é uma delas... um grupo de barbudos, encabeçado por Fidel Castro, subiu a bordo. Foi amor à primeira vista. Uma semana depois, el Comandante mandava buscá-la a Nova Iorque e fazia dela sua amante."









 



"Pilar Eyre, uma jornalista madura e ainda tomada por uma grande paixão pela vida, conhece Sébastien, um correspondente de guerra francês muito atraente. Entre ambos nasce um amor inesperado, que os leva a viver três dias de uma intensa relação erótica e sentimental. Esta não é uma bela história de amor crepuscular, esta é uma bela história de amor entre uma mulher que se atreve a chegar até ao limite e um homem sequestrado por uns sentimentos imprevistos."









"Livro baseado nas recordações vividas pela autora, que nasceu e viveu em Moçambique, este é um relato precioso e documental dessa existência que se perdeu no tempo, mas não na memória, como um álbum de fotografias em que ainda se mantém iluminado o amor à família e a África. E é também um livro impregnado da beleza da paisagem moçambicana, um almanaque dos hábitos, dos lugares e das personagens que abandonavam as giestas em busca dos embondeiros.Quando, no princípio do século XX, Sara abandona uma pequena aldeia no Norte de Portugal para se juntar ao marido, José, em Moçambique, inicia-se também a epopeia de uma família ao longo de três gerações, uma aventura que espelha a história do país através da vida daqueles que arriscavam tudo num território tão generoso quanto cruel. "Kaya, África" é um romance ambicioso e de fôlego, histórico e familiar, sobre a vida dos portugueses em África."





 
"Ilha da Jamaica. Após a morte do seu primeiro amor, Nora, a filha de um comerciante londrino, une-se, através de um casamento por conveniência, a Elias, um viúvo proprietário de uma plantação de açúcar. Contudo, a vida nas Caraíbas não é como Nora sonhara. A partir do assalto noturno à plantação, Nora ver-se-á envolvida nos tumultos provocados pelos escravos rebeldes relacionados com a Avó Nanny, que também fora escrava. Nora perde tudo, exceto a vida e a esperança de encontrar de novo o amor e de decidir livremente sobre o seu futuro. Com A Ilha das Mil Fontes, Sarah Lark transporta-nos agora para as Caraíbas e para a beleza destas ilhas: um novo território exótico, recriado magistralmente através de uma história familiar fascinante, inesquecível e única. Este é o novo livro da autora de No País da Nuvem Branca, a grande saga literária da atualidade."






"Uma história sobre esperança e traição. A outra verdade sobre o romance de Pedro e Inês. 1336. A Península Ibérica está a ferro e fogo. A bela Constança, rainha de Castela, é repudiada pelo marido, Afonso XI, e o desejo de vingança do pai da jovem soberana leva-o a celebrar uma aliança com o rei de Portugal: a filha casará com o herdeiro do trono português, o infante D. Pedro. Constança, inteligente, devota e sofredora, anseia há muito por um destino ao lado do príncipe. Não imagina, porém, que, na sua vida recheada de infortúnios, a maior tragédia está ainda por acontecer, nem que a traição irá partir daqueles que mais ama e em quem mais confia: Pedro, o seu impetuoso marido, e Inês, a sua aia, amiga e confidente. Baseado numa investigação rigorosa e retratando de forma sublime uma época de grandes convulsões políticas, Constança é um romance de leitura compulsiva que nos dá a conhecer a protagonista involuntária, e esquecida pela memória colectiva, do grande mito romântico da História de Portugal."





"Frequentemente vistos como personagens de filmes e livros, os espiões são homens e mulheres bem reais, que circulam entre nós, apesar do manto de secretismo e mistério que os envolve. O jornalista António José Vilela mostra-nos neste livro como é a vida dos espiões portugueses, através de uma série de casos e episódios que nos proporcionam uma visão abrangente sobre o extraordinário mundo dos serviços secretos nacionais:- O acesso ilegal a dados telefónicos nas secretas e a operação montada pelo antigo chefe dos espiões Silva Carvalho. - A vigilância dos agentes do SIS aos sírios vindos da prisão de Guantánamo. - Os negócios angolanos sob vigilância e a burla milionária que trouxe os espiões de Angola a Portugal. - O dinheiro da Al-Qaeda em Lisboa e o ataque terrorista ao Euro 2004. - O espião português fascinado por Khadafi que acabou debaixo de fogo em plena revolução líbia. - Os encontros com os espiões da CIA e o alvo chamado Pedro Santana Lopes. Estas são apenas algumas das muitas histórias de um livro que nos revela, ainda, alguns dos segredos mais bem guardados dos espiões portugueses e o modo como se movem na sombra para garantir a segurança nacional. Quais as suas regras, como é feito o recrutamento, como são treinados, quais as técnicas utilizadas, quais as principais operações, que homens são estes...? "Os Códigos e as Operações dos Espiões Portugueses" é uma obra decisiva para conhecer e compreender uma das realidades mais escondidas do nosso país."






"Gosto muito de bater na cabeça das pessoas com uma certa força. – Gosta? – Sim, agrada-me. Dá-me prazer. Uma pessoa vai a passar e eu chamo-a: ó, desculpe, Vossa Excelência?! – E ela – a Excelência – vai? – Sim. Quem não gosta de ser chamado à distância por Vossa Excelência? Apanho sempre, primeiro, as pessoas pela vaidade… é a melhor forma. – E quando a pessoa-Excelência chega ao pé de Vossa Excelência, o que acontece? – Ela aproxima-se e pergunta-me: o que pretende? E eu, com toda a educação e não querendo esconder nada, digo: gostava de bater com certa força na cabeça de Vossa Excelência. É isto que eu digo, apenas. Nem mais uma palavra."










"Descobri que Estava Morto é um romance sobre a morte, «real», do autor. Ou melhor, sobre a famosa questão da “morte do autor” no sentido real e no literário. A ação passa-se num atualíssimo Rio de Janeiro pré-olimpíadas 2016; onde a «expulsão» e a «pacificação» dos favelados e outros indigentes da sociedade carioca «deixa permanecer» uma corrupta e endinheirada classe média e alta que tanto sai beneficiada como se «perde» na turbulência da cidade."











"Três séculos de invasões, guerras, rebeliões e outras calamidades do Brasil colonial. Há mais de 500 anos houve um pequeno povo, oriundo de um minúsculo pedaço da Europa, que descobriu um pedaço da costa sul-americana. E depois mandou para lá mais naus. E mais gentes. Por lá atacou índios e foi atacado por eles, procriou com índias, trouxe negros de África, procriou com negras, mandou jesuítas pregarem terra adentro, meteu-se em cultivos e garimpos, explorou o sertão, navegou por rios parecidos com o mar. Ainda lidou com a cobiça de outros países europeus sedentos em filar o seu quinhão. Tudo isso só poderia resultar em sangue e crueldade, porém bem misturado com coragem e sagacidade. Numa prosa culta mas cheia de humor, Pedro Almeida Vieira mostra como um rato (Portugal), pariu uma montanha (o Brasil). Com ilustrações de Enio Squeff, a obra relata 25 episódios fundamentais da História do Brasil quando este era a mais rica colónia portuguesa."







"Da autora de Eleanor & Park, descubra uma nova história sobre aprender a amar Cath ama os seus livros e a sua família. Haverá espaço para mais alguém? Todo o mundo é fã dos livros de Simon Snow. Mas Cath vai mais longe: ser fã desses livros tornou-se a sua vida. Ela e a sua irmã gémea, Wren, refugiaram-se na obra de Simon Snow quando eram miúdas, e na verdade foi isso que as salvou da ruína emocional que foi a perda da mãe. Ler. Reler. Interagir em fóruns, escrever ficção baseada na obra de Simon Snow, vestir-se como as personagens dos livros. Mas essas fantasias deixam de fazer sentido quando se cresce, e enquanto Wren facilmente abandona esse refúgio, Cath não consegue fazê-lo. Na verdade, nem quer. Agora que vão para a universidade, Wren não quer ficar no mesmo quarto de Cath. E esta fica sozinha e fora da sua zona de conforto. Partilha o quarto com uma miúda arrogante; tem um professor que despreza os seus gostos; um colega atraente mas que apenas fala sobre a beleza das palavras... e, ainda por cima, Cath não consegue parar de se preocupar com o seu pai, tão querido, frágil e solitário. A pergunta paira no ar: será que ela consegue triunfar sem que Wren lhe dê a mão? Estará preparada para viver a vida em seu nome? Escrever as suas próprias histórias? E se isso significar deixar Simon Snow para trás?"

Partilha no Facebook, Twitter ou Google Buzz:
Partilha no teu Facebook Partilha no teu Twitter Pubblica noGoogle Buzz

0 Opiniões:

Enviar um comentário

Obrigada por ter passado pelo nosso Blog e por comentar! A equipa do FLAMES agradece ;)

Ocorreu um erro neste dispositivo

1%

1%