Envie esta página a um amigo!

sexta-feira, 1 de maio de 2015

2

Livro: A Casa dos Espíritos



Título Original: La Casa de Los Espítirus
Ano Estreia: 1982
Género: Drama, Romance
Autora:  Isabel Allende
Editora: Porto Editora


Vi este livro pela primeira vez num contexto no mínimo curioso: estava a fazer um teste de inglês no 9º ano do ciclo e a minha professora, para se entreter enquanto nós queimávamos os fusíveis, colocou-se de plantão em frente à turma a ler precisamente esta obra de estreia da autora que dispensa apresentações - Isabel Allende. Na altura, fruto também dos meus tenros 14/15 anos, pensei que se tratava de um livro sobre espiritismo ou de uma história de terror. Pois bem... muitos anos passariam até que eu viesse a descobrir o quão enganada estava.


Sinopse:
"Nesta sua surpreendente obra de estreia, Isabel Allende constrói um universo repleto de espíritos, de personagens multifacetadas e humanas, entre elas Esteban Trueba, o patriarca, que vive obcecado pela terra e pela paixão absoluta pela esposa, que ele sente sempre para lá do seu alcance.
Clara é a matriarca esquiva e misteriosa, dotada de poderes sobrenaturais, que prediz as tragédias da família e estabelece o destino da casa e dos Trueba. Blanca, a sua filha suave e rebelde, nutre um amor pelo filho do capataz do seu pai, o que provoca o desprezo de Esteban, mesmo quando deste amor nasce a neta que ele adora: Alba, uma beleza luminosa e uma mulher ardente e voluntariosa.
As paixões da família Trueba, as suas lutas e segredos desenvolvem-se ao longo de três gerações e de um século de violentas mudanças. Num contexto de revolução e contrarrevolução, a autora dá vida a uma família unida por laços de amor e ódio mais complexos e duradouros que as lealdades políticas que a poderiam separar." 


Opinião:
Não posso deixar de me sentir frustrada à partida pois sei que escreva o que escrever, nunca conseguirei pôr em palavras o quanto esta obra me marcou. Já ganhou um lugar no meu top de obras preferidas de sempre e duvido que de lá saia algum dia. Daqui a muitos anos continuarei a pensar nela com um suspiro e nostalgia. Sei que, inevitavelmente, um dia terei de voltar a lê-la (algo inédito nos meus hábitos de leitora)!

Esta história é uma verdadeira ode às mulheres, à sua força, coragem, resiliência e capacidade de amar incondicionalmente.
Nunca tinha lido uma obra de Isabel Allende e simplesmente adorei a sua escrita! Consegue apresentar uma história simultaneamente divertida e dramática. Ao longo destas páginas ri e chorei, deixando-me envolver por completo nas angústias e conquistas das várias personagens.
A história, tal como a própria sinopse deixa prever, percorre três gerações de mulheres que têm de aprender a ultrapassar os obstáculos que a vida lhes apresenta tendo como ponto comum Esteban Trueba, um homem curioso que consegue ser rude sem por isso deixar de ser emotivo.
Com "A Casa dos Espíritos" Isabel Allende conseguiu algo que nunca me tinha acontecido ao longo destas minhas mais de duas décadas de leitura: simplesmente senti uma enorme empatia com todas as personagens. Mesmo aquelas que aqui podem surgir com uma conotação mais negativa, conseguiram conquistar-me pois Allende jogou um trunfo interessante: construiu um percurso para cada personagem que acabou por justificar todas as suas acções e decisões, por mais imorais que nos possam parecer. No fundo não é o ser humano assim mesmo? Não somos profundamente influenciados pelas circunstâncias que nos rodeiam e por aquilo que nos acontece ao longo da vida e acaba por moldar-nos de uma determinada forma? Por isso mesmo, não consegui sentir raiva ou desprezo por ninguém, antes senti uma enorme compaixão ao perceber o quão difícil foi e continua a ser a vida de algumas pessoas.

A história é tão intensa que me arrebatou por completo. Senti-me verdadeiramente triste quando a terminei e percebi que teria de abandonar as suas personagens. Resta-me agora a memória de um livro que fala sobre o amor, a força do espírito humano, o arrependimento, a coragem, a esperança e algo que a mim me toca profundamente - a família.

Uma obra que já é vista como uma referência literária há vários anos e que continuará, estou certa disso, a surpreender e conquistar novos leitores por esse mundo fora!


Por Mariana Oliveira



Partilha no Facebook, Twitter ou Google Buzz:
Partilha no teu Facebook Partilha no teu Twitter Pubblica noGoogle Buzz

2 comentários:

  1. Sem dúvida o meu livro favorito de sempre e a minha escritora favorita também! Li-o aos 15 anos, já voltei a ler uma vez depois disso e tenho a certeza que voltarei a ler novamente :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eu não tenho UM favorito, mas este está no top 5 sem qualquer dúvida! No futuro sei que adorarei lê-lo novamente :)

      Mariana

      Eliminar

Obrigada por ter passado pelo nosso Blog e por comentar! A equipa do FLAMES agradece ;)

Ocorreu um erro neste dispositivo

1%

1%