Envie esta página a um amigo!

sexta-feira, 16 de janeiro de 2015

6

Livro: O Jogo do Anjo



Título Original: El Juego del Angel
Ano: 2008
Género: Mistério, Drama, Romance
Autor: Carlos Ruiz Zafón
Editora: Editorial Planeta

Discordamos na opinião de muitas obras, pois os nossos gostos são bastantes díspares, mas Carlos Ruiz Zafón conseguiu uma proeza para nós: criar obras que nos conquistem às duas. "O Jogo do Anjo" não foi excepção. 

Sinopse:
"Na Barcelona turbulenta dos anos 20, um jovem escritor obcecado com um amor impossível recebe de um misterioso editor a proposta para escrever um livro como nunca existiu a troco de uma fortuna e, talvez, muito mais.
Com deslumbrante estilo e impecável precisão narrativa, o autor de A Sombra do Vento transporta-nos de novo para a Barcelona do Cemitério dos Livros Esquecidos, para nos oferecer uma aventura de intriga, romance e tragédia, através de um labirinto de segredos onde o fascínio pelos livros, a paixão e a amizade se conjugam num relato magistral."

Roberta 

Depois de ter lido o livro "A Sombra do Vento", a leitura de "O jogo do anjo" pareceu-me inevitável. 
Esta leitura foi, a meu ver, muito mais frenética do que "A Sombra do Vento". Pousar este livro para ir fazer outras coisas tornava-se numa verdadeira tortura, pois a escrita do autor é tão viciante e a história está tão bem construída que quando se começa a ler, é quase impossível terminar. Qual dos livros gostei mais? Ainda hoje não sei dizer, mas este deu-me muito mais gozo a ler sem dúvida. A leitura é asfixiante com o mistério a adensar-se cada vez mais e nós a procurarmos, na nossa mente, possíveis explicações para os factos.  

Carlos Ruiz Zafón é assim.. e quando achamos que algo não faz sentido, ou quando pensamos que há coisas que não estão bem explicadas, eis que o autor nos presentei-a com explicações perfeitas dos vários acontecimentos. A escrita do autor está aqui fantástica como sempre.. quem não ache que ele é um bom escritor ou tem inveja da sua escrita, ou não entende nada de literatura ou então não leu o livro com atenção. A sua escrita é realmente sublime, faz-nos reflectir, faz-nos entrar num novo mundo.. faz-nos questionar o inquestionável.. Carlos Ruiz Zafón mete em palavras o que muitos querem dizer e não conseguem.

As personagens são também deliciosas, sendo que aquela com quem mais me afeiçoei foi a Isabella. O seu carácter irreverente, as suas respostas sempre na ponta da língua e a sua imaginação e vontade de vingar na vida fizeram-me gostar dela desde o primeiro instante em que nos é apresentada. David Martín é outra das personagens que nos é apresentada e, no caso deste livro, é a nossa personagem principal. Inicialmente é uma pessoa bastante parecida com Daniel, mas com o tempo nota-se que o amadurecimento da personagem é feita de uma forma totalmente diferente, e as duas personagens tornam-se assim em pessoas totalmente distintas. É uma personagem realista com virtudes e defeitos.. atitudes menos e mais condenáveis, mas com a qual é relativamente fácil ter momentos de empatia. 

Depois de o ter lido, várias foram as questões que ficaram em aberto, pelo que a leitura de "O Prisioneiro do Céu" seguido deste foi obrigatório. Mais uma vez visitamos o "Cemitério dos livros esquecidos" e, apesar do autor dizer que não é necessário ler as suas obras por ordem, eu aconselho vivamente a que o façam, pois muito do que é deixado aqui em aberto (no final) encontrará uma explicação no terceiro.


Mariana

Com "A Sombra do Vento" Zafón criou uma das obras da minha vida e foi por isso mesmo que quando iniciei a leitura de "O Jogo do Anjo" as minhas expectativas situavam-se... na estratosfera!

A escrita do autor, mais uma vez, não desiludiu: bela, acutilante, poética e inebriante. Dei por mim a reler alguns parágrafos e frases tal era a sua qualidade.
As personagens são, mais uma vez, absolutamente cativantes e o facto de poder conhecer algumas personagens que foram relevantes para a história de "A Sombra do Vento" foi um verdadeiro prazer.
Relativamente à história propriamente dita, senti-me algo dividida: se por um lado os mistérios e a tensão são uma constante e a minha vontade enquanto leitora era a de ler sempre mais e mais, por outro lado certos diálogos e situações pareceram-me algo forçadas e cansativas. Refiro-me a alguns dos encontros entre o protagonista e o seu misterioso patrão, que por vezes pareciam saídos de filmes já muitas vezes vistos e os diálogos pareciam copiados de um qualquer livro filosófico. No lado oposto ficam os diálogos entre David e Isabella que ora eram divertidos, ora sarcásticos ou comoventes mas sempre extremamente inteligentes. Sem dúvida alguma que estas conversas fazem parte das minhas páginas favoritas em todo o livro!

Em "O Jogo do Anjo" Zafón criou uma história enigmática, inteligente e envolvente que apenas peca pelo seu final demasiado fantasioso e que deixa algumas coisas por explicar. Contudo, tal não conseguiu ofuscar a qualidade desta obra. Mais uma vez, viajei até ao Cemitérios dos Livros Esquecidos e sonhei com esse lugar mágico. Mais uma vez, percorri as ruas de uma Barcelona sombria, perigosa e sedutora. Mais uma vez, testemunhei o poder dos livros e o magnetismo que um bom livro tem naquele que o lê e o impacto que deixa na sua vida. Mais uma vez, fui vítima da genialidade de Carlos Ruiz Zafón!

Partilha no Facebook, Twitter ou Google Buzz:
Partilha no teu Facebook Partilha no teu Twitter Pubblica noGoogle Buzz

6 comentários:

  1. Fiquei muito curiosa, nunca li nada deste autor, vai já para a listinha de futuras leituras! :D

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Tens de ler Liliana, mas se puderes lê primeiro "A sombra do vento" e lê logo a seguir "O Prisioneiro do Céu"... senão ficas com uma ideia errada do final de "O Jogo do Anjo". :p
      Por exemplo, eu adorei este livro e acho que a Mariana já não gostou tanto como eu porque ainda não leu o 3º. Quando ela ler vai compreender.
      Para mim estes 3 livros são indissociáveis e muito diferentes entre si. Valem muito a pena!
      Beijinhos
      Roberta

      Eliminar
    2. Obrigada pela recomendação Roberta, não gosto nada de começar a ler um livro sem saber que tinha um anterior, comprei um para mim no natal que calhou antes de ler ver por dentro da contra-capa estar lá escrito que tinha um anterior, e agora não o leio até ler o primeiro.
      Assim sendo vou seguir a ordem que me sugeriste :D

      Não é uma história lamechas, pois não? É que eu ainda não percebi bem a essência de toda a história... Se é sobre a vida, aventura, fantasia?...
      Só percebi e gostei da parte que se refira à paixão pelos livros ;)

      Eliminar
    3. Olá :)
      Olha, eu prefiro não te dizer algumas coisas para não estragar a surpresa :p, Posso dizer-te que tem romance, tem aventura, tem mistério (muito), mas não é lamechas fica descansada! Estou deserta para que os leias. :)
      Beijinhos
      Roberta

      Eliminar
  2. Concordando com tudo o que dizem sobre o Zafón, destacaria também a qualidade das descrições e a acutilância dos diálogos.
    ​Parabéns pelo vosso trabalho!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É verdade HJ, o Zafón faz descrições fantásticas e não cansativas, e estes diálogos... davam imenso pano para mangas caso desse para entrarmos na "conversa" com as personagens.
      Muito obrigada
      Beijinhos
      Roberta

      Eliminar

Obrigada por ter passado pelo nosso Blog e por comentar! A equipa do FLAMES agradece ;)

Ocorreu um erro neste dispositivo

1%

1%