Envie esta página a um amigo!

quinta-feira, 23 de fevereiro de 2017

0

Livro: Menina a Caminho



Autor: Raduan Nassar
Ano de Edição: 2017
Género: Drama
Editora: Companhia das Letras


* Por Mariana Oliveira * 


A minha primeira experiência com Raduan Nassar tornou-se na leitura mais desafiante de 2016. Apesar de ter custado, tive de admitir que não estava preparada para tal obra. Por isso mesmo, foi com algum receio que avancei para a leitura de “Menina a Caminho”, um livro de contos do premiado autor brasileiro.

Sinopse:
"Menina a Caminho", o conto que dá título a este volume, marcou a estreia de Raduan Nassar na literatura na década de 60. Ao acompanhar os passos da menina que caminha pelas ruas de uma pequena cidade do interior, o leitor observa com olhar de espanto infantil as situações corriqueiras da ida de rua, encaminhando-se inevitavelmente para um desfecho imprevisível. Escrito no início dos anos 60, este conto acaba por constituir uma espécie de pano de fundo para os textos que se lhe seguiram na obra do autor. Além dos contos que compunham a primeira edição da colectânea, a presente edição apresenta dois contos - "Monsenhores" e "O Velho" - e um ensaio - "A Corrente do Esforço Humano" - nunca antes publicados em Portugal.

Opinião:
Já por diversas vezes referi que os contos se tornaram na minha mais recente paixão literária. Adoro poder pegar num livro e numa dúzia de páginas juntar mais uma história ao rol de aventuras que me acompanham ao longo destes vários anos de leitora.

Relativamente a esta obra, o conto de abertura e que lhe dá o título, “Menina a Caminho”, recordou-me a única obra que li do incrível Ondjaki. Ambos os autores apresentam-nos a cultura do seu país sob o ponto de vista de uma criança. Contudo, enquanto o jovem escritor nos fala de Angola, Raduan Nassar transporta-nos para uma pequena povoação rural brasileira. Para mim este conto foi apenas o aquecimento pois o melhor estava sem dúvida para vir!
Os contos que compõem este livro não almejam contar uma história épica, mas sim falar-nos de pessoas normais e das suas memórias, preocupações e percalços do dia-a-dia de uma forma quase poética. É que a riqueza da escrita do autor deixou-me completamente conquistada. O à vontade de Raduan na arte da escrita permite-lhe brincar com as palavras e conquistar-nos à medida que mergulhamos no mundo das pessoas comuns de um Brasil de há décadas atrás.

Dois dos contos, “O Ventre Seco” e “Aí pela Três da Tarde”, entraram imediatamente para o meu grupo de contos favoritos de sempre. Adorei a ironia e tom directo utilizado no primeiro, que consiste numa carta a terminar um namoro, enquanto o segundo me relembrou de que às vezes damos demasiada importância aos nossos problemas e seríamos mais felizes se nos deixássemos levar por uma “loucura” saudável. 

A parte final da obra é constituída por um ensaio, intitulado“A Corrente do Esforço Humano”, sobre a globalização e a tendência que alguns países, Brasil incluído, têm para se sentirem inferiores relativamente às grandes potências económicas mundiais. Apesar de já ter sido escrito há três décadas, é incrível como em vários aspectos continua a parecer tão actual. O tom crítico do autor aliado ao conhecimento que demonstra deter sobre aquilo que se passa fora do seu país deixou-me francamente surpreendida. Gosto quando alguém não tem quaisquer problemas em pôr o dedo na ferida, nem que para isso tenha de ferir susceptibilidades e magoar alguns egos. Para mim isso tem um nome – coragem.

Caso não conheçam Raduan Nassar, aconselho esta obra para se estrearem com o conceituado autor, vencedor do Prémio Camões 2016.

Partilha no Facebook, Twitter ou Google Buzz:
Partilha no teu Facebook Partilha no teu Twitter Pubblica noGoogle Buzz

0 Opiniões:

Enviar um comentário

Obrigada por ter passado pelo nosso Blog e por comentar! A equipa do FLAMES agradece ;)

Gadget

Este conteúdo ainda não se encontra disponível em ligações encriptadas.

1%

1%