Envie esta página a um amigo!

quinta-feira, 31 de julho de 2014

2

Filme: O Jogo Final





Título Original: Ender’s Game
Ano: 2013
Género: Ficção Científica, Acção
Realizador: Gavin Hood

Na já por si parcial batalha de livros contra a sua versão cinematográfica, eis que decidi comparar o filme de ficção científica “O Jogo Final” com a sua versão em papel, que já tem quase 40 anos. O resultado? Uma vitória clara para o livro!
Se é verdade que quem nunca tinha lido a obra ficou relativamente satisfeito com o filme, não é menos verdade que os fãs de Orson Scott Card e da sua obra, um clássico da ficção científica, ficaram tremendamente desiludidos com o filme (podem ler a minha opinião sobre o livro bem como a sinopse da história aqui).

Para mim, dois aspectos em essencial contribuíram para que não conseguisse ficar agradada com a película.
Em primeiro lugar, o principal foco do livro está no desenvolvimento, maturação e crescente complexidade do pensamento do protagonista, Ender. Ao longo dos capítulos, acompanhamo-lo à medida que vai crescendo e começa a atribuir novos significados àquilo que acontece à sua volta e ao que é verdadeiramente esperado que ele faça. Já o filme centra-se nas cenas de treinos e de batalhas, sendo as partes da acção o cerne de toda a história.
O segundo aspecto que ficou completamente negligenciado no filme foi o interessante esquema montado pelos irmãos de Ender no planeta Terra enquanto o caçula da família estava algures numa escola espacial a preparar-se para salvar a Humanidade. Os interessantes diálogos perpetuados pelos dois irmãos e o estratagema que arranjaram para, mesmo não passando de adolescentes, dominar a Terra recorrendo, simplesmente, à sua superioridade intelectual foi um dos pontos altos do livro e deixou-me completamente rendida à genial ideia desenvolvida pelo autor. Contudo, no filme, não há sequer um qualquer vestígio de uma pequena referência a esse acontecimento, ou seja, na versão cinematográfica os dois irmãos ficam para segundo plano (ou será mais 10º plano?) e o espectador fica privado de conhecer um aspecto tão interessante desta história.
Entendo que seja difícil para qualquer realizador adaptar uma história para o cinema, ainda para mais quando se trata de um livro de culto para os fãs de ficção científica, quer seja pelo factor tempo quer seja pelas massas que tem que agradar na sala de cinema, mas como fã da obra de Orson Scott Card não pude deixar de sentir que muito mais podia ter sido feito e um filme mediano poderia ter sido uma obra-prima do cinema. Foi pena.

Partilha no Facebook, Twitter ou Google Buzz:
Partilha no teu Facebook Partilha no teu Twitter Pubblica noGoogle Buzz

2 comentários:

  1. Olá Mariana... vi o filme mais por causa da tua opinião do livro, e fiquei bastante desiludida... fi pena os aspectos que apontaste :/ (Roberta Frontini)

    ResponderEliminar

Obrigada por ter passado pelo nosso Blog e por comentar! A equipa do FLAMES agradece ;)

Gadget

Este conteúdo ainda não se encontra disponível em ligações encriptadas.

1%

1%